Legado positivo

Dilma pode ter legado comparável ao de FHC e Lula (mesmo que ironicamente), diz FT

Trata-se do combate à corrupção no seu governo; jornal, contudo, lembra de falas dela no final de junho em que disse "não respeitar delator"

SÃO PAULO – Em reportagem desta quinta-feira (6), o Financial Times destacou que a presidente brasileira Dilma Rousseff, que enfrenta diversos problemas de governabilidade, pode ter um legado positivo em seu mandato, mesmo que de forma irônica. 

O jornal britânico destacou que a presidente escolheu uma viagem para os EUA no final de junho para desabafar sobre um tema muito caro a ela: a delação (desta vez, referindo-se à delação premiada na Operação Lava Jato). 

“Eu não respeito delator”, disse Dilma ao conversar com jornalistas em Nova York. “Até porque eu estive presa na ditadura e sei o que é. Tentaram me transformar numa delatora. A ditadura fazia isso com as pessoas. Eu garanto para vocês que eu resisti bravamente”, afirmou.

PUBLICIDADE

Segundo o FT, a ironia de Dilma é que uma reforma durante o seu mandato permitiu que a Justiça utilizasse o instrumento de delação premiada para combater a corrupção, o que pode vir a ser o seu maior legado positivo, comparáveis ao da inclusão social no governo Lula e o combate à inflação galopante no governo Fernando Henrique Cardoso. 

Até que o caso da Petrobras ter entrado em erupção no no ano passado, a administração de Dilma Rousseff também não ia bem, afirma o jornal. Depois de herdar uma economia que tinha sobrevivido à crise financeira global em razoável estado de conservação, sua administração levou à deterioração das finanças públicas e uma recessão está prevista para este ano. Seus índices de aprovação estão entre os piores entre qualquer presidente.

Mas Dilma, diz o jornal, ainda tem uma diferença de como lidou com a corrupção endêmica no Brasil. Em 2011, o primeiro ano de seu primeiro mandato, ela permitiu a queda de uma sucessão de ministros, depois que eles foram apanhados em escândalos de corrupção. “Principalmente, ela se recusou a defendê-los”, afirma a publicação.

Em 2013, ela não tentou interferir quando os membros importantes do partido, o PT, foram condenados por organizar um esquema de compra de votos no Congresso no mensalão.

Depois do Mensalão, Dilma assinou em lei anti-corrupção que permitiu a investigadores negociar as chamadas delação premiadas, ou acordos de leniência. “A medida provou ser uma arma de destruição em massa contra conspirações de corrupção. Desde o início do ano passado, quando eclodiu o escândalo da Petrobras, 125 pessoas foram acusadas e mais de 30 foram condenadas. E mais deve estar por vir, implicando inclusive parlamentares e outros políticos de alto escalão

Ao longo das investigações, Dilma mostrou indignação em alguns momentos em nome dos companheiros acusados. “Mas, principalmente, ela tem se esforçado para reivindicar o crédito para a guerra contra a corrupção”, afirmou o jornal. Mas isto, diz o FT, é em parte falso.

PUBLICIDADE

Isso porque, enquanto ela tem algum poder sobre a Polícia Federal, ela tem pouco controle sobre os tribunais do Brasil e do Ministério Público, que são independentes. Ela também dirigiu o Conselho de Administração da Petrobras e foi ministra de Minas e Energia, quando grande parte da ilegalidade ocorreu. “Isso torna improvável que ela tenha encorajado ativamente as investigações”, afirmou. 

No entanto, ao contrário de muitos de seus adversários políticos no Congresso, ela não está acusado de envolvimento direto nos esquemas. “Apoiar a investigação, portanto, poderia revelar-se uma estratégia de sobrevivência sagaz. Ela pode acabar como a única política de alto escalão de pé. […] Mas a sua baixa popularidade significa que o escândalo também poderia explodir em cima dela, em meio a protestos de rua ou impeachment”.

“Aconteça o que acontecer, ela ainda pode garantir o seu legado como presidente como aquela que instituiu instrumentos para combater a corrupção. Ela precisa, no entanto, primeiro, repensar sua retórica sobre delatores”.

Dilma, nos EUA, disse que aprendeu na escola a não gostar de Joaquim Silvério dos Reis, o delator da Inconfidência Mineira. Afinal, foi a delação dele que levou à execução de líder da resistência, Tiradentes, hoje um herói nacional. “No Brasil de hoje, no entanto, são os delatores que estão no lado certo, e não os conspiradores”, conclui o jornal.