Sem ex-presidentes

Dilma, Lula e FHC recusam convite para Olimpíada; já Temer diz estar “preparadíssimo” para vaias

Sem clima político, os petistas não comparecerão; a constatação feita foi que, na prática, eles deixarão que o presidente interino Michel Temer seja vaiado sozinho

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Assim como a presidente afastada Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que não irá para a abertura dos Jogos Olimpícos do Rio de Janeiro, informa o jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo o jornal, a avaliação do petista, similar a de Dilma, é de que não há “clima político” para sua presença. A decisão dele foi confirmada por sua assessoria de imprensa e ratificada em uma série de entrevista que Lula concedeu a veículos estrangeiros nos últimos dias. 

Já ontem, em entrevista à Rádio França Internacional, Dilma afirmou que não pretende participar dos eventos dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em uma “posição secundária”. “Eu não pretendo participar da Olimpíada em uma posição secundária, porque ela é fruto de um grande trabalho do ex-presidente Lula e do grande esforço do governo federal, que viabilizou a estrutura do Parque Olímpico e da Vila Deodoro”, disse Dilma. 

Aprenda a investir na bolsa

Além deles, ex-presidentes fogem da Olimpíadas. Lauro Jardim, do jornal O Globo, afirmou no final de semana que José Sarney, Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso haviam declinado do convite. FHC confirmou à Folha que não irá comparecer, enquanto Collor disse que não recebeu o convite e Sarney não foi encontrado. 

A constatação feita foi que, na prática, eles deixaram que o presidente interino Michel Temer seja vaiado sozinho. Porém, o peemedebista indicou que enfrentará a saia-justa, conforme ressaltou a colunista Dora Kramer, do jornal O Estado de S. Paulo. Segundo ela, Temer vai à cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos com a certeza de que será vaiado – “estou preparadíssimo” – partindo do princípio de Nelson Rodrigues segundo o qual no Maracanã o público “vaia até minuto de silêncio”.