Crítica

Dilma: Levy ficou “bastante triste” com repercussão de sua fala e já se explicou

A presidente negou que haja qualquer motivo para "complicações" decorrentes da fala do ministro, quando ele afirmou que Dilma tem boas intenções, mas nem sempre seja eficaz para colocá-las em prática

SÃO PAULO – Dilma Rousseff afirmou ter certeza de que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, foi mal interpretado quando disse que a presidente possui um desejo genuíno de acertar as coisas, embora nem sempre seja eficaz. A fala de Levy gerou um mal-estar no Planalto e aumentou a sua rejeição entre quadros históricos do PT, como o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, de acordo com a Folha de S. Paulo. 

Em diálogo com jornalistas durante a cerimônia de entrega de 1.032 unidades habitacionais do programa Minha Casa Minha Vida em Belém (PA), Dilma disse que não há mais motivo para criar “complicações” com a fala de Levy e que o governo está fazendo um esforço “enorme” para concretizar os ajustes fiscais propostos pelo ministro da Fazenda. “Levy ficou bastante triste com isso”, disse.

Dilma também afirmou que há várias reformas que precisam ser feitas depois do ajuste fiscal. “Estamos todos os dias trabalhando para o Brasil retomar o crescimento”, explica a presidente. 

PUBLICIDADE

Além de comentar sobre ajuste fiscal e as declarações polêmicas do seu ministro, a presidente ainda falou sobre o Fies, programa que, a partir de hoje, passa a ter restrição de nota para que alunos tenham direito ao financiamento. O estudante agora precisará ter pelo menos 450 de média no Enem para obter o benefício do governo. Segundo Dilma, o reajuste de mensalidades não pode ser o que a empresa educacional quer, e que o governo só irá bancar reajustes de mensalidades do Fies até 6,5%.