Sem cerimônia

Dilma evita imprensa e sinaliza processo contra Veja, dizem interlocutores

Candidata à reeleição permaneceu reclusa e recebeu visitas ao longo do dia no hotel em que está hospedada no Rio de Janeiro; desde ontem, publicação da Editora Abril se tornou alvo de críticas dos petistas.

SÃO PAULO – Na sexta-feira que antecipa a ida dos eleitores às urnas, a presidente Dilma Rousseff, do PT, evitou aparições e preferiu descansar. Para amenizar a rouquidão que vem apresentando nos últimos dias, a petista tomou algumas doses de chá de romã, confidencia um de seus correligionários. 

Apesar de ter permanecido reclusa, a petista recebeu visitas, que foram feitas para estabelecer uma espécie de torcida organizada da presidenciável. “Ela está confiante, mas este debate é uma muito importante. Acreditamos que Aécio Neves (candidaro ao Planalto pelo PSDB) estará bem menos confiante do que esteve no debate do primeiro turno”.

Além disso, a candidata à reeleição estaria bastante irritada com a teportagem de capa da revista Veja, que indicava que ela teria sido conivente com os escândalos de corrupção da Petrobras. Ela, inclusive, estaria estudando processar a publicação da revista Veja por calúnia e difamação. 

PUBLICIDADE

“Ninguém me envolve num escândalo e sai ileso. Eu vou até as últimas consequências”, reclamou ela a alguns interlocutores.

Dilma e seu marqueteiro, João Santana, regravaram os programas finais após a capa da Veja ser anunciada, devido ao burburinho que a publicação poderia causar. Para evitar qualquer ruído de comunicação entre ela e seus eleitores, a presidente convocou a sua equipe de campanha e passou a noite gravando em sua defesa. 

Mesmo tendo contestado a publicação como um todo, a petista terá que enfrentar Aécio  nesta noite, que certamente abordará o assunto em algum momento mais polêmico do debate.