Ladeira abaixo?

“Dilma evita falar de economia para não se complicar ainda mais”, critica Ricardo Amorim

O economista não poupou críticas à performance da presidente no Jornal Nacional e reforçou que o mercado financeiro tem apenas uma preferência: ver a petista derrotada nas urnas.

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O economista Ricardo Amorim afirmou há pouco em entrevista exclusiva ao Infomoney que a presidenciável do PT, Dilma Rousseff, está vivendo um dos momentos mais desconfortáveis de sua trajetória política. Após a morte de Eduardo Campos, a presidente viu as intenções de voto de Marina Silva, provável substituta de Campos na chapa do PSB, subirem e protagonizou uma das “piores sabatinas da história” no Jornal Nacional de segunda-feira. 

Em evento realizado pelo Infomoney em parceria com a Bloomberg, Amorim não poupou críticas à performance da presidente durante a entrevista aos jornalistas Patrícia Poeta e William Bonner.

“Dilma evita falar de economia para não se complicar ainda mais. Ela mostra profundo desconhecimento sobre quão mal vai o país”, destacou Amorim. “Durante a sabatina, ela se sentiu acuada, fugiu das perguntas e mostrou que tem um tremendo tendão de aquiles, que é a economia, que vai extremamente mal”, completou. 

Aprenda a investir na bolsa

De acordo com o economista, o mercado tem apenas uma preferência: ver a petista derrotada nas urnas. Para ele, o mercado gosta do presidenciável do PSDB, Aécio  Neves, porque isso significaria um retorno de Armínio Fraga ao governo. “O mercado gosta do Armínio e acredita que ele coordenaria as mudanças que o país precisa”, opinou Amorim. 

Em relação à Marina Silva, provável candidata ao Planalto pelo PSB, os investidores estão um pouco mais desconfiados, mas preferem uma vitória da ex-senadora à uma reeleição de Dilma. “Ninguém tem muita certeza de qual será a linha econômica adotada por um governo sob o comando de Marina, mas pela equipe econômica que ela tem consultado, com a liderança de Eduardo Giannetti, a ideia é que não tenha muita diferença ao que seria um governo do PSDB”, concluiu.