Contra mudanças

Dilma é contra mudança no modelo de exploração do pré-sal, diz Folha

Presidente Dilma não admite mudança no regime de partilha e na exigência de que a Petrobras seja sócia de pelo menos 30% de cada bloco de exploração do pré-sal, segundo colunista da Folha

SÃO PAULO – As mudanças aventadas pelo ministro de minas e energia, Eduardo Braga, no regime de exploração de petróleo no Brasil podem sofrer dificuldades para serem implementadas.

Segundo informações da coluna Painel, da Folha de S. Paulo, a presidente Dilma Rousseff não admite mudança no regime de partilha e na exigência de que a Petrobras (PETR3;PETR4) seja sócia de pelo menos 30% de cada bloco de exploração do pré-sal, o que aliviaria o caixa da estatal. Porém, a presidente não se convenceu.

Braga, segundo o jornal, admite que Dilma está “totalmente” comprometida com o status quo vigente. Porém, o ministro avalia que nos próximos cinco anos, pelo menos, a estatal não terá como fazer frente à exigência de investimentos do pré-sal.

PUBLICIDADE

O ministro se encontra nesta semana com Lula em São Paulo e o tema estará em pauta. O ex-presidente é menos radical que Dilma sobre o assunto. 

Em abril, Braga falou pela primeira vez que o governo poderia “revisitar” as regras do regime de partilha na exploração do pré-sal e da política de exigência de conteúdo local na indústria de petróleo.

Em audiência na Comissão de Infraestrutura do Senado, Braga avaliou que, apesar de terem ajudado o País a chegar a um patamar avançado no setor, essas regras podem ser rediscutidas pelo governo futuramente. “Essas políticas não podem ser taxadas de ineficientes, porque foram pilares do nosso desenvolvimento no setor de petróleo e gás”, disse, em resposta a questionamentos de parlamentares.