Eleições

Dilma e Aécio estão no 2º turno das eleições; confira os perfis dos candidatos

Com 99,25% das urnas apuradas pelo Brasil, Dilma Rousseff (PT) tem 41,53% das intenções de voto, enquanto Aécio Neves (PSDB) tem 33,63%

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O segundo turno das eleições presidenciais foi definido em uma virada nos últimos dias. Com 99,25% das urnas apuradas pelo Brasil, Dilma Rousseff (PT) tem 41,53% das intenções de voto, enquanto Aécio Neves (PSDB) tem 33,63%. Já Marina Silva (PSB) aparece com 21,29% das intenções de voto e ficou de fora do segundo turno. 

Luciana Genro (PSOL) tem 1,55% dos votos válidos, Pastor Everaldo (PSC) tem 0,75%, Eduardo Jorge (PV) tem 0,61% e Levy Fidelix (PRTB) com 0,43%. Zé Maria (PSTU), Eymael (PSDC), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) tem menos de 0,10% dos votos.

Confira abaixo o perfil dos dois candidatos que vão disputar o segundo turno das eleições

Aprenda a investir na bolsa

Perfil de Aécio Neves. Candidato do PSDB à Presidência da República, o senador Aécio Neves, tem 54 anos e é mineiro de Belo Horizonte. Neto do ex-presidente eleito Tancredo Neves, ele se formou em economia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, aos 24 anos e hoje é pai de três filhos. O primeiro contato com a política ocorreu em 1981, quando aceitou o convite do avô para trabalhar na campanha para o governo de Minas Gerais e, depois, pela Presidência da República.

O senador participou do movimento das “Diretas Já”, no período do regime militar e, em 1986, iniciou sua trajetória no Congresso Nacional, ocupando por quatro mandatos seguidos uma cadeira na Câmara. Filiou-se ao PSDB em 1989. Durante o período de formulação da Constituição Federal, Aécio apresentou emendas ao texto como a que instituiu o direito ao voto para os jovens entre 16 e 18 anos.

A candidatura de Aécio à Presidência da República foi aprovada no dia 26 de junho, sendo escolhido o senador paulista Aloysio Nunes, de 69 anos, para compor a chapa como seu vice-presidente. A chapa conseguiu reunir, numa coligação intitulada Muda Brasil, o apoio de pelo menos oito partidos, entre eles o Democratas, Solidariedade, PTB, PTN e PTdoB.

Perfil de Dilma Rousseff. Em busca do segundo mandato, a presidente Dilma Rousseff e seu partido, o PT, renovaram a coligação com o PMDB, mantendo o atual vice-presidente Michel Temer na chapa. Sete partidos fazem parte da coligação Com a Força do Povo:  PDT, PCdoB, PR, PP, PRB, PROS e PSD. Com a coligação, Dilma quer ficar mais quatro anos no cargo e assim, levar o seu partido no poder por mais quatro anos, completando assim 16 anos do PT à frente da presidência da república. 

Mineira de Belo Horizonte, Dilma tem 66 anos e viveu grande parte de sua vida no Rio Grande do Sul, onde participou da criação do PDT. Lá, ela foi secretária municipal de Fazenda e estadual de Minas e Energia. Em Brasília, antes de chegar à Presidência da República, foi ministra de Minas e Energia (2003-2005) e da Casa Civil (2005-2010).

Nascida em família de classe média alta, Dilma passou a demonstrar interesse pelos ideais socialistas quando jovem, logo após o Golpe Militar de 1964. Dilma integrou organizações de esquerda que defendiam a luta armada contra o regime militar, como o Comando de Libertação Nacional (Colina) e a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares). 

PUBLICIDADE

Dilma reconstruiu a sua vida no Rio Grande do Sul onde, junto com o seu companheiro de mais de 30 anos, o advogado Carlos Araújo, ajudou na fundação do PDT e participou ativamente de diversas campanhas eleitorais. Carlos Araújo é pai de sua única filha, Paula.

Em 2002, participou da equipe que formulou o plano de governo de Luiz Inácio Lula da Silva para a área energética. No mesmo ano, foi escolhida para ocupar o Ministério de Minas e Energia. Em 2005, Rousseff foi nomeada ministra-chefe da Casa Civil, em substituição a José Dirceu, que renunciara ao cargo em meio ao escândalo do mensalão. No dia 31 de outubro de 2010, Dilma Rousseff foi eleita presidente do Brasil, cargo a ser ocupado pela primeira vez na história do país por uma mulher, contabilizando 56,05% dos votos válidos no segundo turno.