Em discurso

Dilma diz que confusão entre público e privado tem mesma idade da escravidão

Ao falar sobre corrupção, ela afirmou que o governo tem defendido o patrimônio público

arrow_forwardMais sobre

A presidente Dilma Rousseff disse na última quarta-feira que a “confusão” entre o que é público e privado no Brasil vem de muito tempo e tem “a mesma idade da escravidão”, quando falou sobre a corrupção.  Dilma participou do 3º Festival da Juventude Rural, organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag).

“Essa confusão entre o que é privado e o que é público veio lá de trás nesse país. Tem a mesma idade que a escravidão”, disse a presidente. Acrescentou que “decorre de uma coisa chamada patrimonialismo”, referindo-se ao tempo das oligarquias. Segundo ela, o governo tem defendido o patrimônio público.

PUBLICIDADE

“Por isso, é importante termos claro que a visão do que é público é algo essencial. Temos de respeitar o que é o bem público. Temos de ser capazes de prestar contas sobre esse bem público. Sobretudo, temos, como governo, de ser capazes de defendê-lo. Quero assegurar que estamos fazendo.”

   

“A confusão entre o que é bem individual e o que é bem público decorre de uma coisa chamada patrimonialismo que era típico da oligarquia rural brasileira, que achava que o Brasil como nação era só dela porque parte da população era escrava e não tinha direito nenhum.”

Dilma já havia afirmado recentemente, em meio ao escândalo de corrupção na Petrobras, que as irregularidades existem no Brasil há muito tempo e que não começaram no seu governo ou nas gestões do PT.

A presidente destacou também a relação do governo com os movimentos sociais. “Muitas coisas conquistadas são frutos dessas conversas, porque vocês reivindicam e defendem posições. Por isso, a importância de eventos como esse.”

 A presidente aproveitou o evento para dizer que seu governo tem o compromisso de levar a Internet de banda larga para a zona rural como forma de evitar que jovens deixem o campo.

Dilma também afirmou que uma reforma agrária qualificada deve incluir crédito, assistência técnica e as compras induzidas para sustentar a produção rural.

(Com reuters e Agência Estado)