MERCADOS AO VIVO EUA criam 307 mil vagas no setor privado em novembro, abaixo do esperado, mostra relatório ADP

EUA criam 307 mil vagas no setor privado em novembro, abaixo do esperado, mostra relatório ADP

Segundo Estadão

Dilma comemora reação de Aécio ao seu discurso: “vestiu a carapuça”

"Não vou me suicidar, não faço acordo, não renuncio”, disse Dilma a aliados em meio ao "clima de impeachment" cada vez maior, lançando mão de uma frase utilizada no final de 2014, quando o PSDB pediu a recontagem de votos

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Na última segunda-feira, a presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião de emergência para avaliar a situação política em meio ao “clima de impeachment”. A presidente teria desabafado com seus auxiliares e dito que defenderá seu governo das acusações que estão sendo feitas, “com unhas e dentes”. 

E, de acordo com informações do blog do jornalista Kennedy Alencar e do jornal O Estado de S. Paulo, Dilma voltou a usar, ao longo da segunda-feira, uma frase que tinha dito logo quando o PSDB apresentou ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) um pedido para recontar votos. 

Segundo um ministro ouvido pelo jornalista, ela teria dito:  “eu não sou Getúlio, não sou Jango, não sou Collor. Não vou me suicidar, não faço acordo, não renuncio”.

Aprenda a investir na bolsa

E, ontem, informa o Estadão, após a entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, Dilma comemorou o discurso da oposição em meio às acusações do Planalto de que estariam planejando um golpe contra o governo da presidente. Informa o jornal que, dentro do avião, na escala em que fez em Portugal quando se dirigia à Rússia, Dilma soube da movimentação do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que reagiu prontamente ao discurso entoado pelo Planalto e chegou a afirmar que quem “é golpista é o PT”. 

“Ele vestiu a carapuça”, comemorou a presidente, surpresa com o que classificou como “atos falhos” do tucano em entrevistas concedidas ao longo do dia. 

O senador Aécio afirmou que, para o PT, tudo o que contraria os interesses do partido é golpe. “Na verdade, o discurso golpista é o do PT, que não reconhece os instrumentos de fiscalização e de representação da sociedade em uma democracia. “Para o PT, se o TCU identifica ilegalidades e crime de responsabilidade nas manobras fiscais autorizadas pela presidente da República, trata-se de golpe”, disse Aécio, em nota.

Porém, dentro do PMDB, houve quem avaliasse que Dilma puxou ainda mais a crise política para dentro do Planalto, ofuscando até mesmo o lançamento do Programa de Proteção ao Emprego, lançado anteontem. Aquele não seria o momento ideal para falas tão contundentes. Contudo, a convenção do PSDB, em que diversos tucanos apostaram em novas eleições antes de 2018 “deram a senha” para que Dilma “entrasse no ringue com unhas e dentes”.