Dilma cobra responsabilidade de Petro e Vale sobre mina de potássio

Presidente quer que empresas explorem mina em Sergipe e reduzam dependência brasileira na importação de fertilizantes

SÃO PAULO – Na noite desta quarta-feira (20) a presidente Dilma Roussef, o ministro Edison Lobão, de Minas e Energia, Murilo Ferreira, presidente da Vale, e Sergio Gabrielli, presidente da Petrobras, se reuniram para decidir o futuro do mega projeto de fertilizantes em  Sergipe, avaliado em US$ 4 bilhões, informou nesta quinta-feira o jornal Valor Econômico.

Segundo a publicação, para dar prosseguimento ao empreendimento é necessário que a Vale, arrendadora da a mina de Taquari Vassouras, no estado de Sergipe e pertencente à Petrobras, passe a explorar o mineral o quanto antes. Hoje, a Vale produz 600 mil toneladas ao ano de cloreto de potássio na mina de Sergipe, arrendada da Petrobras nos anos 90.

Conforme informou também nesta manhã o jornal O Globo, o impasse jurídico entre as empresas vem impedindo o investimento da Vale de US$ 1,2 bilhão na produção do mineral – insumo básico para produção de fertilizantes – e emperrando o projeto federal de expandir a produção nacional e reduzir a dependência externa. Em 2010, a Vale adquiriu ativos de cerca de US$ 5,8 bilhões para sua unidade de fertilizantes.

Dilma pressionada por empresários
Hoje, a extração de potássio não abastece sequer 9% das necessidades de consumo interno. Ainda segundo o jornal carioca, a presidente estaria sob pressão de empresários do agronegócio e muito preocupada com o fato do país importar mais de 70% dos fertilizantes que usa na agricultura. 

Conforme O Globo, as duas empresas fecharam na mesma noite de quarta-feira, o acordo que permite à Vale explorar a área por mais 25 anos, contados a partir da data de assinatura do novo contrato, ficando como única pendência o valor a ser pago. A Petrobras contratou uma empresa para calcular o novo preço.

Procurada pela equipe do Infomoney a assessoria da Petrobras não comentou ao assunto e a da Vale não foi encontrada até o fechamento desta matéria.

 

PUBLICIDADE