Em evento no RS

Dilma: Brasil vive um momento tenso, mas não “quebra” mais como no passado

Em evento no RS, presidente voltou a afirmar que o governo fez tudo para impedir que os impactos da crise externa atingissem a população mas que agora não tem mais como absorver tudo

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A presidente Dilma Rousseff está em Eldorado do Sul, Rio Grande do Sul, onde participou de evento da COOTAP (Cooperativa Regional dos Assentados de Porto Alegre), ligado ao MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra).

A jornalistas, a presidente afirmou que o Brasil vive um momento “bastante tenso, com desequilíbrios conjunturais, mas que o país tem bons fundamentos para enfrentar os desafios externos”.

“No passado, quando tinha um problema internacional, o Brasil quebrava no dia seguinte. Não tinha dinheiro para pagar as contas. Hoje nós temos 375 bilhões [de dólares] de reservas. Os movimentos no mercado internacional agora têm um bloqueio, tem uma redução do impacto”, afirmou.

PUBLICIDADE

Dilma disse ainda que “tem gente que aposta no quanto pior melhor. São poucos, são os chamados pescadores em águas turvas. O que querem não me interessa. O fato é que apostam contra o Brasil. Podemos superar essa situação momentânea de dificuldade juntos”.

A presidente voltou a afirmar que o governo fez tudo nos últimos anos para impedir que os impactos da crise internacional atingissem a população mas que agora não tem mais como absorver tudo.

Ela ainda afirmou que o contingenciamento do Orçamento da União para este ano será “significativo” para garantir o cumprimento da meta de superávit primário de 1,2% do PIB. 

“Esta semana foi aprovado o Orçamento, agora, assim que sancionado, nós vamos… fazer o contingenciamento, que será significativo, não vai ser um pequeno contingenciamento”, disse a presidente a jornalistas em Eldorado do Sul (RS).

Dilma reforçou que a aprovação do ajuste fiscal é imprescindível para a economia do país. Segundo ela, quanto antes isso for feito, mais rápido governo e economia sairão da restrição.

(Com Reuters)