Silêncio dos inocentes?

Dilma aguarda “dados oficiais” para comentar denúncias de ex-diretor da Petrobras

A presidente afirmou ainda que, para tomar as devidas providências, o governo precisa ter acesso às informações prestadas.

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A presidente da república, Dilma Rousseff, foi indagada pela primeira vez sobre os nomes apontados pelo ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, durante o processo de delação premiada, na qual denunciou políticos que teriam recebido propina em contratos da estatal.

Há pouco, durante coletiva de imprensa, a petista afirmou que esperará “dados oficiais” para comentar as denúncias feitas pelo ex-executivo. 

Evitando fazer comentários sobre o assunto, Dilma se referiu brevemente à revista Veja, que divulgou uma lista de nomes que teriam sido denunciados por Costa neste sábado. “A própria publicação revela que o processo está criptografado, guardado em um cofre e que irá para o Supremo Tribunal Federal”.

Aprenda a investir na bolsa

Na edição desta semana, a Veja traz nomes de deputados, senadores, governadores e um ministro, que estariam envolvidos no esquema de recebimento de propina na Petrobras. De acordo com a publicação, os petistas citados pelo ex-executivo da estatal foram João Vaccari Neto, tesoureiro nacional da legenda, e o deputado Cândido Vaccarezza.

“Eu gostaria de saber direito quais são as informações prestadas e asseguro que tomarei as providências cabíveis”, pontuou Dilma, acrescentando que não faria mais comentários, baseados em especulações. “Quero as informações. Elas são essenciais e devidas ao governo. Caso contrário, a gente não pode tomar medidas efetivas”, concluiu a candidata à reeleição.