Perspectivas

Destino de Temer, estreias na bolsa e grandes resultados farão mercado começar agosto “com tudo”

Congresso volta com agenda recheada de votações, incluindo a denúncia contra Temer; Itaú, Suzano e mais 20 empresas divulgam seus balanços

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A “calmaria” das últimas semanas chega ao fim com a entrada do mês de agosto, que traz o retorno da agitação em Brasília, que logo no primeiro dia já deverá deixar o mercado de olho no Congresso com a possibilidade da votação da denúncia do procurador Rodrigo Janot contra o presidente Michel Temer. Enquanto isso, os indicadores econômicos e a temporada de resultados também não sairão do radar.

Está programada para a próxima quarta-feira (2) a votação da denúncia contra Temer na Câmara dos Deputados. A autorização para que o presidente seja julgado pelo STF será votada pelo Plenário e, para ser aceita, precisa do apoio de 342 deputados. O peemedebista deve passar os próximos dias negociando com parlamentares a sua estratégia para se livrar da denúncia.

Com o aumento dos boatos de que Temer irá conseguir os votos suficientes para barrar a denúncia, os partidos que fazem oposição ao governo passaram a estudar a estratégia de esvaziar a sessão destinada à votação da denúncia. A sessão será aberta com a presença de 51 deputados na Câmara, mas para que a votação seja efetivamente iniciada, será exigida a presença de pelo menos 342 deputados em plenário.

PUBLICIDADE

Veja também: quer aprender tudo sobre bitcoin? Clique aqui e confira uma série especial em vídeo

Além disso, o Congresso terá agenda cheia na próxima semana e as reformas da Previdência e política são dois dos temas pendentes de análise, com 22 medidas provisórias pendentes. A MP 774/17, que acaba com a desoneração da folha de pagamento para vários setores, aguarda votação na Câmara, mas não tranca a pauta porque ainda não foi lida em plenário.

Enquanto isso, o líder do governo no Congresso, deputado André Moura, disse que governo pediu prioridade na votação dessa MP e do texto que cria a TLP, segundo o jornal O Globo. Este tem sido um tema delicado e define as regras usadas para financiamento do BNDES.

Estreias na bolsa e resultados
A próxima semana também contará com duas novas ações na B3: a IRB Brasil e a Omega Geração, ambas na segunda-feira (31). A primeira teve preço das ações fixado em R$ 27,24, no piso da faixa, enquanto a segunda foi precificada em R$ 15,60 por papel, abaixo do piso da faixa, que era entre R$ 17 e R$ 22.

Também na segunda, mas após o fechamento do pregão, a temporada de resultados ganha destaque com a divulgação do balanço do segundo trimestre do Itaú Unibanco. A projeção compilada pela Bloomberg é que o maior banco privado do País registre lucro líquido de R$ 5,99 bilhões. Na semana, destaque ainda para Cielo, Suzano, Smiles, Ser Educacional e pelo menos mais 18 empresas.

Agenda de indicadores
Com uma agenda um pouco mais tranquila, dois dados serão destaque nos próximos dias. O primeiro é a ata do Copom (Comitê de Política Monetária), que na terça-feira (1) às 8h30 (horário de Brasília), que deverá dar mais detalhes da visão do Banco Central sobre a taxa de juros.

Nesta semana, o BC cortou a Selic em 100 pontos-base e sinalizou que pode manter o ritmo no encontro de setembro, levando especialistas a revisarem suas projeções para o fim do ano, para valores entre 7% e 7,5%. “Provavelmente, o documento trará também maiores informações sobre o cenário básico considerado pelo Copom e os fatores que podem alterar suas decisões”, afirmou a Rosenberg Associados.

Na agenda internacional, destaque para os dados de inflação (terça-feira às 9h) e do mercado de trabalho nos Estados Unidos (sexta-feira às 9h30). Segundo a Rosenberg, na comparação em 12 meses, a inflação perdeu força nos últimos meses, e a tendência deve se manter na inflação de junho.

“Em contrapartida, o mercado de trabalho vem registrando meses de firme geração de postos de trabalho, com média em 12 meses ao redor de 180 mil vagas. O desempenho do mercado de trabalho, em conjunto com a inflação, é importante balizador da política monetária implementada pelo Fed, atualmente no ritmo mais gradual de aperto de sua história”, explicam os analistas.

Para conferir a agenda completa de indicadores, clique aqui.