Deputado propõe ajuda de US$ 25 bilhões às principais montadoras dos EUA

Aporte sairia do pacote de US$ 700 bilhões do governo para combater a crise; proposta deve enfrentar resistência

SÃO PAULO – Buscando uma solução para a difícil situação do setor automotivo dos Estados Unidos, o presidente do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara, Barney Frank, propôs nesta quarta-feira (12) uma ajuda adicional de US$ 25 bilhões do Tesouro às principais montadoras do país.

O aporte, que iria exclusivamente para GM, Ford e Chrysler, sairia do pacote de resgate de US$ 700 bilhões do governo norte-americano para combater a crise financeira no país, sendo que seria necessária uma alteração na atual legislação para que o plano do congressista se concretize.

“As conseqüências de um colapso na indústria automobilística dos Estados Unidos seriam particularmente problemáticas”, disse Frank. Segundo ele, deverá ser redigido um plano que garanta que as montadoras não utilizem o dinheiro de maneira imprudente, a exemplo do que está sendo feito com os bancos locais.

Resistência

PUBLICIDADE

O deputado agendou para o próximo dia 19 uma reunião para tratar do assunto, mas já sabe que deve encontrar resistência por parte de alguns representantes, que afirmam que a ajuda seria injusta para os fabricantes de automóveis concorrentes das três maiores montadoras norte-americanas.

Além disso, o secretário do Tesouro, Henry Paulson, excluiu nesta quarta-feira a possibilidade de usar o pacote de US$ 700 bilhões no setor automotivo. “É preciso uma solução para os três grande grupos de Detroit, mas o plano de resgate concebido pelo Tesouro está voltado para o setor financeiro”, disse.

No entanto, conforme ressaltou Paulson, o governo norte-americano já estuda um novo plano para aliviar as tensões em outros setores da economia, incluindo o automobilístico.

Ações sobem

Em resposta à intenção do governo de promover ajuda, as ações das três montadoras – GM, Ford e Chrysler – fecharam esta quarta-feira em alta na bolsa de Nova York, em um pregão de perdas generalizadas nos mercados.