Protestos

Depois do fora Dilma: as 5 coisas que você precisa saber sobre as manifestações

Mais uma vez ficou patente a diferença de perfis e objetivos, que não impediram milhares de pessoas de tomar as ruas do Brasil para protestar contra o atual governo

arrow_forwardMais sobre

São Paulo – Domingo foi dia de manifestações contra o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) em todo o Brasil. Como ocorreu nos dois últimos protestos, amanhã será dia de debate sobre a multiplicidade de perfis e objetivos dos manifestantes, bem como a discrepância notável das estimativas oficiais de quantas pessoas estiveram presentes. Veja o que de mais importante você precisa saber sobre este domingo (16) de agosto. 

1. 135 mil, 350 mil ou 1 milhão?
A Avenida Paulista em São Paulo foi tão fortemente tomada por manifestantes que era quase impossível se locomover por regiões como a que fica entre o Masp e a sede da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo). A única certeza, portanto, é que muita gente compareceu, já que a velha polêmica do número real de manifestantes se manteve. O instituto Datafolha falou em 135 mil, a Policia Militar disse 350 mil e nos carros de som se ouvia apenas um número dos organizadores: um milhão. Já no Brasil, estes protestos foram maiores que os de abril e menores do que os de março, segundo a PM. Foram 612 mil nas ruas do Brasil contra 1,7 milhão em março e 521 mil em abril.

2. Diferentes perfis
Pedidos de impeachment foram mesclados com os de renúncia e até de convocação de novas eleições pelos manifestantes. Não é possível atingir um consenso sobre o que queriam as pessoas reunidas, exceto um sentimento generalizado de descontentamento com a situação atual do Brasil. Inflação alta, desemprego aumentando e uma vontade de dar um basta nos escândalos de corrupção que pipocam na mídia eram as principais queixas. E sim, também tinham grupos defendendo a intervenção militar, mas eles eram uma minoria dentro das milhares de pessoas que tomaram as ruas. 

PUBLICIDADE

3. Resposta do governo
Quem esperava um pronunciamento oficial significativo sobre os protestos ficou decepcionado. A reação do Planalto se deu unicamente por uma declaração do ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, dizendo que o governo “viu as manifestações dentro da normalidade democrática”.

4. Aécio participa pela primeira vez
Entre os destaques, o senador Aécio Neves (PSDB), candidato derrotado na campanha presidencial de 2014, participou do protesto anti-Dilma pela primeira vez. “Chega de tanta corrupção, o meu partido é o Brasil”, disse Aécio em cima de um trio elétrico. Ele cantou o hino nacional e foi ovacionado pela multidão que gritou: “Aécio, Aécio”. Ele ainda afirmou que a manifestação é apartidária e, sobre sua candidatura caso a presidente saia prematuramente, disse que “candidatura não é projeto pessoal, eu tenho disposição de impedir que este governo continue fazendo tanto mal aos brasileiros”. 

5. O apoio irrestrito ao juiz Sérgio Moro
Responsável pelo julgamento dos réus da Operação Lava Jato, o juiz foi ovacionado pelos manifestantes, que mostraram todo o seu apoio `as prisões de grandes personalidades como Marcelo Odebrecht e o ex-ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu. A figura do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acabou sendo um pouco mais polêmica. Houve quem o apoiasse e quem dissesse que ele está acobertando membros graúdos da política como o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva e a própria presidente Dilma.