Segundo Folha

Delator diz que Aécio Neves recebeu R$ 300 mil de diretor da UTC em 2013

Procurada pela Folha de S. Paulo, a assessoria do senador classificou como "absurda e irresponsável" a citação a seu nome, "sem nenhum tipo de comprovação"

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em delação premiada homologada pelo STF (Supremo Tribunal Federal), o delator Carlos Alexandre de Souza Rocha, conhecido como Ceará, afirmou que senador Aécio Neves (PSDB-MG) recebeu R$ 300 mil de um diretor da UTC Engenharia, uma das empresas investigadas na Operação Lava Jato. As informações são do jornal Folha de S. Paulo

Rocha é apontado como “entregador de dinheiro” do doleiro Alberto Youssef. Ele contou ter levado o valor no segundo semestre de 2013 a um diretor da UTC no Rio de Janeiro chamado Miranda. 

Quer saber onde investir em 2016? Veja no Guia InfoMoney clicando aqui!

Aprenda a investir na bolsa

O delator afirmou que Miranda “estava bastante ansioso” pelos R$ 300 mil. Ele estranhou e indagou o motivo. O diretor teria reclamado que “não aguentava mais a pessoa” lhe “cobrando tanto”. Rocha disse que perguntou quem seria, e Miranda teria respondido “Aécio Neves”, sempre segundo o depoimento do delator. 

“E o Aécio Neves não é da oposição?”, teria dito Rocha. O diretor da UTC respondeu, na versão do delator: “Aqui a gente dá dinheiro pra todo mundo: situação, oposição, […] todo mundo”.

O comitê da campanha para a presidência de Aécio em 2014 recebeu R$ 4,5 milhões da UTC em doações declaradas à Justiça, enquanto a campanha de Dilma recebeu R$ 7,5 milhões. O delator disse que não presenciou a entrega e que ficou “surpreso” com a citação.

Procurada pela Folha, a assessoria do senador classificou como “absurda e irresponsável” a citação a seu nome, “sem nenhum tipo de comprovação”.

“Trata-se de mais uma falsa denúncia com o claro objetivo de tentar constranger o PSDB, confundir a opinião pública e desviar o foco das investigações”. “A falsidade da acusação pode ser constatada também pela total ausência de lógica: o senador não exerce influência nas empresas do governo federal com as quais a empresa atuava e não era sequer candidato à época mencionada. O senador não conhece a pessoa mencionada e de todas as eleições de que participou, a única campanha que recebeu doação eleitoral da UTC foi a de 2014, através do Comitê Financeiro do PSDB”. A UTC disse que “a acusação não tem fundamento”. 

Vale ressaltar que, em 2015, Youssef já havia afirmado que o senador tucano recebeu dinheiro de corrupção envolvendo Furnas, subsidiária da Eletrobras. “Eu confirmo (que Aécio recebeu dinheiro de corrupção) por conta do que eu escutava do deputado José Janene, que era meu compadre e eu era operador dele”, disse o doleiro durante a CPI da Petrobras, em agosto. 

PUBLICIDADE