AO VIVO Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Análise

Datafolha liga sinal “amarelo” para governo com reeleição de Dilma em risco

LCA ressalta trajetória de queda da presidente Dilma, mostrando fragilização do projeto de reeleição e aumento da rejeição à candidata

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – As análises aos números do Datafolha divulgados na noite de ontem mostram que a reeleição da presidente Dilma Rousseff pode estar em risco. A pesquisa apontou que o percentual de intenção de voto da presidente Dilma Rousseff no primeiro turno oscilou dois pontos percentuais para baixo. Em 15 dias, entre as pesquisas dos dias 1 e 2 de julho e 15 e 16 de julho passou de 38% para 36%, enquanto Aécio ficou estável em 20%. Eduardo Campos quase não se mexeu, “escorregando de 9% para 8%”. Considerando os chamados nanicos, os oponentes de Dilma têm exatamente os mesmo 36% da presidente.

Porém, o cenário de destaque ficou para o segundo turno contra Aécio, Dilma também oscilou dois pontos percentuais para baixo (46% para 44%), enquanto o tucano foi de 39% para 40%. Contra Campos, a queda de Dilma ultrapassou a margem de erro. Foi de 48% para 45%. O ex-governador pernambucano subiu de 35% para 38%.

A LCA Consultores destaca que nenhuma mensuração feita pelo Datafolha mostrou variação acentuada, com a maior parte das altas e baixas ficando dentro da margem de erro, de dois pontos percentuais para cima ou para baixo. Além disso, o empate entre Dilma e os demais candidatos no primeiro turno indica que a presidente, se a eleição fosse hoje – e se os números do Datafolha estiverem corretos – poderia se reeleger no primeiro turno.

Porém, “mesmo assim, a leitura conjunta dos números do Datafolha traça um quadro negativo para a candidatura governista. Reforça o viés de queda da perspectiva de reeleição da petista”, aponta a consultoria.

Desde o começo do ano, Dilma está em trajetória de queda. Durante o auge do entusiasmo do brasileiro com a Copa, ela ganhou algum fôlego, mas, considerando o Datafolha de ontem, a animação com a Copa não foi suficiente para reverter a tendência de encolhimento da candidatura governista, a qual fica mais evidente quando se consideram os cenários de segundo turno, avalia a LCA. Isso porque a vantagem de Dilma contra Aécio no segundo turno desabou de 24 para 4 pontos percentuais entre meados de fevereiro e a pesquisa de ontem. Contra Eduardo Campos, caiu 25 pontos (de 32 para 7).

“A fragilização do projeto de reeleição evidencia-se mais ainda quando se leva em conta que a rejeição à candidata petista e a aprovação ao governo estão em pior situação do que auferida nesta mesma fase da campanha pelos concorrentes que venceram as seis disputas presidências desde 1989”, ressalta a LCA.

Desta forma, a trajetória da disputa presidencial, conforme retratada pelas pesquisas – ao menos pelo Datafolha – está assumindo contornos nitidamente desfavoráveis à reeleição. Por outro lado, a direção ainda pode mudar. “No momento, contudo, já se pode dizer que aponta de maneira consistente para a possibilidade de Dilma perder a eleição”, avalia. 

E, apontam os economistas da consultoria, para adicionar mais uma pitada de dificuldade à reeleição de Dilma, é interessante notar que os desconfortáveis números do Datafolha para a candidatura incumbente foram divulgados no mesmo dia em que o resultado do Caged de junho foi muito ruim. A criação de empregos formais teve o pior mês de junho em 16 anos, com a criação de 25.363 vagas no mês. 

Conforme apontou o cientista político e especialista em pesquisa eleitoral Sidney Kuntz ao Brodcast Político, da Agência Estado, o resultado da pesquis acende um “sinal amarelo” para o governo. “A presidente Dilma (Rousseff) chegou num limite. O sinal amarelo acendeu”, afirmou.

PUBLICIDADE

Kuntz pondera que, ao contrário do que era aguardado pela oposição, a Copa do Mundo e a eliminação do Brasil da competição não tiveram impactos diretos no resultado do levantamento. Para Kuntz, o “resto do jogo” eleitoral agora será focado nos debates e nas propagandas de rádio e TV. “A oposição tem o desafio de se tornar conhecida”, disse.

(Com Agência Estado)