Cúpula do PMDB se reúne com PT e deve fechar acordo para candidatura de Dilma

Dirigentes do PMDB temem que ficar sem representação em eventual chapa com Ciro Gomes; ala dissidente promete racha

SÃO PAULO – Atendendo a pedido da cúpula do PMDB, o PT deverá fechar acordo com o partido já nesta quarta-feira (21) para selar compromisso em torno da candidatura de Dilma Rousseff à presidência. A decisão oficial, pelo calendário eleitoral, só poderá ser tomada em junho do próximo ano, mas os dirigentes do PMDB querem fechar um pré-compromisso para garantir o vice na chapa de Dilma.

A cúpula deseja indicar o deputado Michel Temer, atual presidente da Câmara, para a vice-presidência. Entretanto, há uma ala dissidente no partido, mais favorável a uma aliança com José Serra, um dos prováveis candidatos do PSDB. Os dirigentes do PMDB acreditam que com a presença da Lula nas negociações seja mais fácil agregar apoio dentro da legenda.

Ala dissidente

Nos bastidores, a ala ligada ao governador de São Paulo trabalha contra o acordo. Embora seja minoria dentro do partido e reconheça que não tem forças para barrar a aliança formal com o PT, o grupo promete provocar um racha dentro do PMDB na disputa do próximo ano.

PUBLICIDADE

Além de uma foto onde estarão juntos Lula, Dilma, e a cúpula do PT e PMDB, espera-se que o encontro resulte em uma nota que representará uma espécie de protocolo de compromisso, com o objetivo de afastar insegurança nos partidos. O PMDB teme uma aliança entre PT e PSB, com Ciro Gomes na vice-presidência, o que em uma eventual eleição de Dilma deixaria a legenda sem representação no Palácio do Planalto.