STOCK PICKERS Pedro Chermont e Hulisses Dias falam sobre as lições de Warren Buffett que podemos aplicar nesta crise; assista

Pedro Chermont e Hulisses Dias falam sobre as lições de Warren Buffett que podemos aplicar nesta crise; assista

Críticas

Cunha chama Moro de “justiceiro político” e diz que juiz quer mantê-lo como um trófeu

Deputado cassado Eduardo Cunha enviou um bilhete em que ataca a decisão e o magistrado, destacando que irá recorrer, chamando a decisão de política

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Após a condenação de 15 anos e quatro meses de prisão proferida pelo juiz federal Sérgio Moro, o deputado cassado Eduardo Cunha enviou um bilhete em que ataca a decisão e o magistrado, destacando que irá recorrer, chamando a decisão de política.

Cunha enviou o recado por meio de um interlocutor que esteve com ele na tarde desta quinta-feira no Complexo Médica Penal, para onde foi transferido depois de passar algum tempo na carceragem da Polícia Federal, segundo informações do jornal O Globo.

No bilhete, Cunha diz que Moro tenta se transformar em um “justiceiro político” e que o magistrado quer deixá-lo em Curitiba como se fosse um troféu. Veja o bilhete:

PUBLICIDADE

“Com relação a divulgação sentença condenatória, tenho a declarar:

1) A decisão, além de absurda e sem qualquer prova válida, jamais poderia ser dada 48 horas após as alegações finais e antes dos demais réus terem sequer apresentado as suas alegações finais na ação conexa.

2) Entrei com uma ação arguindo a suspeição do juiz por vários motivos já divulgados, além de agora ter o agravante dessa decisão em tempo recorde, mostrando que a sentença já estava pronta.

3) A decisão é política, visando a tentar evitar a apreciação do meu Habeas Corpus no STF, para que ele possa me manter como seu troféu em Curitiba.

4) É óbvio que irei recorrer e essa decisão não se manterá nos Tribunais Superiores, até porque contém nulidades insuperáveis.

5) Esse juiz, que que se transformar em um justiceiro político, não tem qualquer condição de julgar qualquer ação contra mim, pela sua parcialidade de motivação política”