Desafios da diplomacia

Cuba envia mensagem para ONU e dezenas de órgãos internacionais denunciando “golpe” no Brasil

Segundo o Estadão, em um e-mail datado de 15 de maio, o governo de Cuba descreve o conteúdo da declaração como sendo “sobre o golpe do estado parlamentário e judicial no Brasil”

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Sem se intimidar frente a reação do Itamaraty, comandado por José Serra, a diplomacia de Cuba lidera a campanha contra o governo de Michel Temer nos órgãos internacionais, afirma o jornal O Estado de S. Paulo

A publicação teve acesso a um e-mail enviado pela missão de Cuba perante às Nações Unidas para mais de uma dezena de organismos internacionais, alertando para o “golpe” no Brasil. Em um e-mail datado de 15 de maio, o governo de Cuba descreve o conteúdo da declaração como sendo “sobre o golpe do estado parlamentário e judicial no Brasil”. 

A declaração assinada em 12 de maio acusava o presidente interino de ter “usurpado o poder”, apoiado pela “grande imprensa reacionária e o imperialismo”. “Dilma, Lula, o PT e o povo do Brasil contam e contarão sempre com toda a solidariedade de Cuba”, destaca a nota, que ainda denuncia as “manobras” da “oligarquia” e a “contraofensiva reacionária”.

PUBLICIDADE

O e-mail foi direcionado para dirigentes da Organização Internacional do Trabalho, Organização Mundial do Comércio, para o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, para a secretaria da ONU, Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Organização Mundial da Saúde, União Internacional de Telecomunicações, UNAids, para o Programa da ONU para o Desenvolvimento e para o Programa da ONU para o Meio Ambiente, entre outros. 

Cabe lembrar que, em duas notas oficiais divulgadas na noite de sexta-feira (13), o Ministério das Relações Exteriores, agora comandado por José Serra, criticou rmanifestações públicas de representantes de cinco países latino-americanos – Venezuela, Cuba, Bolívia, Equador e Nicarágua – e também uma declaração do secretário-geral da Unasul, Ernesto Sampler, sobre o afastamento da presidente Dilma Rousseff.