Argentina

Cristina Kirchner rompe silêncio de um ano, critica Macri e chama Temer de “ridículo”

A ex-presidente afirmou ainda que será candidata ao Senado, para ajudar a agregar votos ao peronismo

SÃO PAULO – Após quase um ano sem dar entrevistas, a ex-presidente argentina Cristina Kirchner falou ao canal C5N na noite de quinta-feira (25), ocasião em que fez críticas ao governo de Mauricio Macri e chamou o presidente brasileiro, Michel Temer, de “ridículo” e “brega”. Além disso, ela anunciou que pode concorrer nas eleições legislativas de outubro.

Kirchner criticou o atual presidente por participar das festividades do feriado de 25 de maio, que celebra o início da revolta que se tornaria a Independência do país. “Não há nada que festejar no país hoje”, disse ela apontando principalmente para a alta inflação, de 40%.

“Isso está acontecendo porque não há intervenção do Estado. Na nossa gestão, tínhamos os Preços Cuidados”, referindo-se a um programa que fixava preços máximos para vários tipos de alimentos, que Macri vem diminuindo para uma quantidade cada vez menor de produtos.

PUBLICIDADE

A ex-presidente afirmou ainda que será candidata ao Senado, para ajudar a agregar votos ao peronismo. “Se é necessário que eu me candidate para dar mais votos a nossa força política, eu sou candidata. É preciso que surja um candidato forte do nosso lado para colocar limite a esse governo. Quero contribuir para isso”, afirmou.

Ao ser questionada sobre a situação da crise no Brasil, Cristina disse que o presidente Michel Temer era um “ridículo” e um “brega” e atacou sua iniciativa de chamar as Forças Armadas para conter os protestos em Brasília. As informações são da Folha de S. Paulo.