Painel WW

Crise fiscal brasileira também é culpa da sociedade, diz Marcos Lisboa

Para economista, situação só não está pior "porque parte de Brasília, felizmente, pensa no País"

SÃO PAULO – Durante o debate sobre a “farra fiscal” realizado no Painel WW da última quarta-feira (18), o economista e presidente do Insper, Marcos Lisboa, apontou uma questão que pouco é comentada por outros especialistas: boa parte da crise fiscal no Brasil também é culpa da sociedade. Ou seja, o problema não se resume apenas ao Congresso.

“A gente tem que dar um passo para trás, porque o problema não está só em Brasília. Acho que Brasília reflete o Brasil, o problema está aqui. Todas essas decisões que têm ocorrido e todos esses descontroles […] eles vêm como uma resposta do governo, do Legislativo, a demandas da sociedade”, afirma o economista no programa apresentado por William Waack.

PUBLICIDADE

Lisboa destaca neste cenário o pacote de ajuda à agricultura, a greve dos caminhoneiros, além do Refis para diferentes grupos. “Esse descontrole fiscal não aparece por um equívoco de Brasília. Pelo contrário, acho que a situação não está tão grave, porque parte de Brasília, felizmente, pensa no País”, diz ressaltando ainda o papel da equipe econômica e de órgãos de controle como o TCU (Tribunal de Contas da União)

“Eu acho que o problema não está longe da gente, o problema está perto da gente. A sociedade brasileira se organiza em grupos específicos e todo o mundo acha razoável ir pedir um privilégio em Brasília. A má notícia é que Brasília também acha razoável dar o privilégio, mas o problema começa conosco”, continua Lisboa.

O economista segue sua análise comentando a dificuldade de se acabar com a contribuição sindical obrigatória, além do debate de auxílio para o Judiciário. “O nível do descontrole que nós estamos vivendo, acho eu, reflete uma sociedade de fato fragmentada e pedindo favores, e ninguém querendo assumir que todos teremos que aceitar sacrifícios para sair da crise”, conclui.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear