RADAR INFOMONEY B3: oportunidade de compra ou queda justificada? Assista ao programa desta quarta

B3: oportunidade de compra ou queda justificada? Assista ao programa desta quarta

Bom para todos

Credit destaca fórmula de reajuste que seria boa tanto para Petrobras quanto para governo

Analistas do banco fizeram um estudo e ressaltaram que reajustes a cada três meses seriam positivos para a Petrobras em meio a maior previsibilidade, mas reduziria volatilidade temida pelo governo

SÃO PAULO – A polêmica com relação à nova metodologia de reajuste de combustíveis, tão desejada pela Petrobras (PETR3;PETR4) ganhou um novo capítulo nesta terça-feira (26).

Matéria publicada pelo jornal Folha de S. Paulo destacou que o governo da presidente Dilma Rousseff está disposto a conceder o reajuste de combustíveis este ano, de modo a aliviar o caixa da petrolífera, mas não está disposto a aprovar a nova metodologia proposta pela companhia. Vale ressaltar que a reunião que irá decidir sobre a metodologia, foi adiada; ela deveria ter ocorrido na última sexta-feira (22), mas passou para o próximo dia 29.

Em meio a essas polêmicas, o Credit Suisse elaborou um estudo com base em dois cenários hipotéticos para o reajuste da companhia: uma fórmula 3X3, considerando ajustes de preços a cada três meses com base na média de preços internacionais para o período, e o segundo, uma fórmula 6X6, com ajustes a cada seis meses, também levando em conta a média as cotações de petróleo no exterior. Para os analistas Vinicius Canheu e Andre Sobreira, a primeira opção, de reajuste trimestral, seria a melhor opção, tanto para a Petrobras e seus acionistas quanto para o governo.

Se a fórmula 3X3 tivesse sido adotada desde que Graça Foster assumiu a presidência da petrolífera, no início de 2012, a companhia teria mais US$ 12 bilhões do que em relação à metodologia atual de preços, destacam os analistas, o que equivale a 12% do valor de mercado da estatal. Caso a fórmula adotada seja a de reajuste semestral, o 6X6, a geração seria US$ 6 bilhões maior, um montante alto, mas apenas metade da primeira fórmula. 

Por outro lado, caso o reajuste seja feito mensalmente, o impacto seria US$ 13 bilhões maior, o que não é tão diferente do compromisso trimestral. Desta forma, apontam Canheu e Sobreira, a fórmula 3X3 parece ser um bom compromisso: o impacto trimestral é semelhante ao mensal para a Petrobras e seria bom para o governo, uma vez que manteria o objetivo de não passar pela volatilidade dos ajustes mensais.

Alta dos preços e queda da alavancagem: importante para a Petrobras
Caso a fórmula 3X3 tivesse sido adotada nos últimos dois anos, os preços domésticos dos combustíveis seriam na média 14% maior para a gasolina e 18% para o diesel. Já no caso de uma fórmula 6X6, os preços seriam 9% maiores para ambos os combustíveis. 

Curiosamente, avaliam os analistas, uma fórmula que tivesse espaço de tempo menor, 3X3, não contemplariam aumentos significativamente menores, quando estes acontecessem. O maior aumento pontual de preços teria sido de 14% para a gasolina e de 17% para diesel, enquanto um reajuste semestral seria de 11% e 12%, respectivamente, ainda significativo. Já as maiores reduções pontuais seriam de 9% para a gasolina e de 4% para o diesel.

Os analistas ainda ressaltam a importância do reajuste para a queda da alavancagem da companhia, que cairia para 33% em caso de um reajuste de 6X6 e para 31% com reajuste 3X3. Já a relação entre a dívida líquida e o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) passaria de 3,05 vezes hoje para 2,32 vezes e 1,75 vez, respectivamente. 

“Todos esses números mostram a importância de qualquer fórmula para a Petrobras. Esperamos por uma decisão sensata na sexta-feira”, finalizam os analistas. 

PUBLICIDADE