AO VIVO Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Escândalo na estatal

CPMI da Petrobras aprova relatório de Marco Maia com 52 indiciamentos

Em entrevista a jornalistas, Maia disse que não há nenhum indício de que a atual diretoria da Petrobras esteja envolvidas em irregularidades.

arrow_forwardMais sobre

BRASÍLIA (Reuters) – A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras aprovou nesta quinta-feira o relatório do deputado Marco Maia (PT-RS), sugerindo o indiciamento de 52 pessoas em crimes que incluem participação em organização criminosa, lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Em entrevista a jornalistas, Maia disse que não há nenhum indício de que a atual diretoria da Petrobras esteja envolvidas em irregularidades.

As apurações de irregularidades pelo Congresso tiveram como estopim a polêmica compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela Petrobras.

Os depoimentos na CPMI posteriormente se desenvolveram à medida que surgiram mais denúncias relacionadas à operação Lava Jato, da Polícia Federal, que investiga suposto esquema de corrupção em obras da estatal, envolvendo empreiteiras e pagamentos ilegais a políticos, o que afetou a assinatura do balanço do terceiro trimestre da estatal por auditores independentes.

Segundo Maia, o relatório da CPMI deve ser encaminhado pela presidência do Congresso a órgãos como Justiça Federal, Controladoria Geral da União (CGU), Tribunal de Contas da União (TCU), Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), além da própria Petrobras.

“Há um conjunto de órgãos que deverão a partir de hoje receber o relatório da CPMI porque ali tem recomendações e indicações que deverão ser feitas durante esses próximos dias”, disse o deputado após a aprovação do relatório.

Além dos indiciamentos –que não incluem políticos– o relatório passou a considerar a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela Petrobras, um mau negócio.