CPI deve ouvir vice-presidente da Braskem e engenheiro da empresa

Marcelo de Oliveira Cerqueira e Paulo Roberto Cabral de Melo devem ser ouvidos em sessão marcada para terça-feira (14), a partir das 9 horas; ambos foram convocados e são obrigados a comparecer

Agência Senado

Unidade da Braskem em Maceió: extração de sal-gema na capital alagoana provocou afundamento de bairros (Foto: Ariel Costa/Senado Federal)

Publicidade

A CPI da Braskem (BRKM5) deve ouvir, na terça-feira (14), a partir das 9 horas, o vice-presidente da empresa, Marcelo de Oliveira Cerqueira. A pauta traz ainda a participação do engenheiro e responsável técnico pelas minas da mineradora, Paulo Roberto Cabral de Melo. A participação dos dois foi aprovada na forma de convocação – ou seja, a presença é obrigatória, e eles serão ouvidos na condição de testemunhas.

As convocações atendem aos requerimentos apresentados pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), e pelo relator, senador Rogério Carvalho (PT-SE).

Conforme a justificativa apresentada por Omar, a ideia de convocar o vice-presidente da Braskem surgiu após depoimento do diretor global de Pessoas, Comunicação, Marketing e Relações com a Imprensa da empresa, Marcelo Arantes, informar que Marcelo de Oliveira Cerqueira seria a pessoa com conhecimento técnico adequado para oferecer respostas aos questionamentos que são objeto de investigação da CPI.

Continua depois da publicidade

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

“A observação da experiência profissional do senhor Marcelo de Oliveira Cerqueira atesta o exposto pela testemunha, já que o profissional trabalha na empresa há mais de 27 anos, passando por várias áreas de atuação até chegar ao cargo atual de vice-presidente executivo”, diz o requerimento.

Leia também:

Continua depois da publicidade

No último fim de semana, o vice-presidente da Braskem acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para ter garantido o direito ao silêncio em sua oitiva.

Paulo Roberto Cabral de Melo, engenheiro e responsável técnico pelas minas da Braskem, foi gerente-geral da planta de mineração da Salgema Mineração Ltda (hoje Braskem S.A.), em Maceió, de 1976 a 1997. Ele atuou ainda como consultor para a Braskem por meio de sua empresa Consalt Consultoria Mineral Ltda, onde atualmente é sócio-diretor.

O engenheiro faltou a depoimento na semana passada, após ser beneficiado com um habeas corpus concedido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. No entanto, o instituto obrigava o comparecimento do convidado à CPI, com o direito de permanecer em silêncio nas perguntas que pudessem incriminá-lo.

Continua depois da publicidade

Em dezembro do ano passado, Cabral de Melo foi alvo de uma operação da Polícia Federal no inquérito que investiga o afundamento do solo em Maceió. Ele também já teve os sigilos quebrados pela CPI.

Reunião deliberativa

Após a oitiva, a CPI faz reunião deliberativa para votar requerimento do senador Omar Aziz (REQ 153/2024) para autorizar a participação de mais um servidor lotado no gabinete da presidência da comissão na comitiva que ficará responsável pelas inspeções in loco nos bairros afetados pelo desastre.

A CPI da Braskem foi criada por meio de requerimento do senador Renan Calheiros (MDB-AL) para investigar, no prazo de 120 dias, os efeitos da responsabilidade jurídica e socioambiental da mineradora Braskem no afundamento do solo em vários bairros de Maceió.

Continua depois da publicidade

A empresa extrai sal-gema — utilizado, por exemplo, na fabricação de PVC — desde os anos 1970 nos arredores da Lagoa Mundaú, na capital alagoana.