AO VIVO Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Corregedoria do Senado deve propor acareação entre acusados no caso Renan

Medida visa apurar denúncias de que o senador teria usado terceiros na compra de uma empresa de comunicação

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O corregedor do Senado, Romeu Tuma, deve propor uma acareação entre o usineiro João Lyra e Tito Uchôa, apontado como “laranja” do senador Renan Calheiros. A medida visa apurar as denúncias de que o presidente da Casa teria usado terceiros na compra de uma empresa de comunicação em Alagoas.

Sem um relator ainda escolhido, o processo ainda não teve início. Tuma, que faz uma investigação preliminar, disse que torce para que o relator faça a acareação e que ele, como corregedor, possa participar. O presidente do Conselho de Ética, Leomar Quintanilha, afirmou que o relator desse processo será escolhido somente na próxima semana.

O corregedor esteve em Maceió, onde ouviu os depoimentos de Lyra e Luiz Carlos Barreto, ex-diretor do jornal supostamente adquirido pelo usineiro e por Renan. Após ouvi-los, Tuma afirmou que a situação de Renan Calheiros está “mais delicada”.

Declarações comprometem Renan

Segundo Tuma, Barreto não apresentou provas, mas deu uma série de declarações que “comprometem” o presidente do Senado. O corregedor disse ainda que recebeu documentos e recibos repassados por Lyra, nos quais existiriam comprovações de assinaturas de Uchôa.

Barreto manteve a versão de Lyra sobre a participação de Renan na sociedade oculta, com o uso de “laranjas” na compra do grupo de comunicação, afirmando que houve uma reunião entre Lyra, Renan e o empresário Nazário Pimentel, que teria vendido as empresas para o senador ao lado do próprio Barreto, para definir a participação de cada um no negócio.