Corregedor-geral do Senado critica demora no processo contra Renan

Romeu Tuma afirmou que atrasos só estendem a crise na Casa e prejudicam o processo de investigação

SÃO PAULO – O corregedor-geral do Senado, Romeu Tuma, criticou nesta sexta-feira (13) a demora no envio de documentos à Polícia Federal referentes ao processo contra o presidente do Senado, Renan Calheiros, que está estendendo a crise na Casa.

Segundo o corregedor, a Mesa Diretora do Senado deve encaminhar na próxima terça-feira os documentos que precisam passar pela perícia da Polícia Federal e não há mais espaço para atrasos no processo.

Tuma disse que o novo atraso devido ao adiamento da reunião da Mesa Diretora só prejudica o processo de investigação e desgasta o Senado. “Adiar é prejudicial. É mais constrangimentos para todos. A demora atrapalha todo mundo, inclusive as partes envolvidas”, afirmou o corregedor.

Reunião adiada

PUBLICIDADE

Na última quinta, Renan adiou a realização da reunião da Mesa Diretora para a próxima terça-feira. Nesta reunião, a Mesa definirá se enviará ou não os documentos do peemedebista para perícia da PF. Só depois das novas perícias, que devem demorar 20 dias para serem concluídas, o Conselho de Ética voltará a se reunir.

O peemedebista é acusado de ter utilizado dinheiro da construtora Mendes Júnior, via lobista, para pagar despesas pessoais, como pensão alimentícia e aluguel à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha.

Ministro minimiza crise

O ministro da Justiça, Tarso Genro, disse nesta sexta-feira que o Senado não está paralisado por conta das idas e vindas do caso Renan Calheiros. Ele ainda contemporizou a situação no Senado dizendo que confusões acontecem em todas as Casas, e que isso é normal.

Segundo o ministro, o fato de o Congresso já ter votado o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) comprova que o Legislativo está trabalhando.