Copa do Mundo e corrupção estão entre os assuntos mais discutidos na web

Pesquisa mostra que os temas são os mais discutidos nas mídias on-line e redes sociais durante o governo Dilma

SÃO PAULO – A Copa do Mundo e a corrupção estão entre os assuntos mais discutidos na web, durante os dez primeiros meses de governo da presidente Dilma Rousseff, conforme aponta pesquisa da MITI Inteligência.

A pesquisa mostra cinco assuntos relacionados à política que foram amplamente discutidos pela imprensa e a repercussão deles pelos usuários de mídias sociais.

Além de Copa do Mundo e corrupção, ganharam repercussão os temas Código Florestal, problemas com o MEC (Ministério da Educação), como os relacionados com os livros didáticos e o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e a inflação.

PUBLICIDADE

Dados
Notícias tratando sobre a discussão da Copa do Mundo e a responsabilidade da presidente Dilma sobre o evento renderam mais de 33 mil publicações. Apenas uma matéria, abordando a crise entre Dilma e a Fifa, foi compartilhada mais de 1.400 vezes no Facebook e atingiu 900 retweets no Twitter.

Já a inflação e a corrupção continuam sendo os assuntos mais repercutidos tanto na imprensa on-line quanto nas mídias sociais. Em outubro o tema inflação somou cerca de 22.300 comentários nas redes, sendo que, de janeiro a julho de 2011, foram 6.488 notícias sobre o assunto.

No entanto, o destaque fica com a corrupção, que só no mês de outubro, foi citada mais de 122 mil vezes no Twitter.

O vazamento de questões do Enem e problemas com erro de ortografia nas apostilhas do MEC movimentaram mais 700 mil citações no Twitter.

Governo
A pesquisa também busca compreender como está a imagem do governo diante dos internautas e como os órgãos oficiais estão trabalhando para realizar a gestão das crises.

A Secom (Secretária de Comunicação do Governo Federal) informou que coordena dois grandes portais de publicação de notícias, o Portal Brasil e o Portal Planalto, e conta com perfis no Twitter, no qual replica os conteúdos produzidos no outros canais.

PUBLICIDADE

Disse ainda que diversos ministérios possuem perfis oficiais no Twitter e no Facebook , em que promovem ações específicas.