Eleições 2018

Contra Bolsonaro, Haddad tem apoio de 42% de quem rejeita os dois

Segundo pesquisa XP/Ipespte, 27% dos eleitores repudiam os dois candidatos. Mas, em eventual disputa entre eles, petista leva vantagem neste grupo

SÃO PAULO – Além de confirmar o crescimento de Jair Bolsonaro (PSL) na reta final da corrida presidencial, movimento apontado anteriormente por outros institutos, a pesquisa XP/Ipespe mostrou dificuldades para Fernando Haddad (PT) em superar o apoio de eleitores petistas e atingir outras faixas do lulismo. O ex-prefeito paulistano também viu sua rejeição crescer e superar a do militar reformado.

Em uma semana, o percentual de eleitores que disseram não votar em Haddad “de jeito nenhum” saltou de 60% para 65%. No mesmo período, a rejeição a Bolsonaro oscilou negativamente de 60% para 59%, movimento dentro da margem de erro, de 2,2 pontos percentuais. A combinação deste movimento com o aumento da chance de o deputado vencer no primeiro turno (ainda não majoritária) tem provocado movimento positivo no mercado nos últimos dias.

A tabela abaixo mostra a evolução das taxas dos principais candidatos:

PUBLICIDADE
CANDIDATODE 20 A 22/08DE 27 A 29/08DE 3 A 5/09DE 10 A 12/09DE 17 A 19/09DE 24 A 26/09DE 3 A 4/09
Jair Bolsonaro59%61%62%57%57%60%59%
Marina Silva60%60%62%64%67%68%75%
Ciro Gomes59%59%59%56%54%54%58%
Geraldo Alckmin60%59%59%60%60%61%64%
Álvaro Dias48%48%48%49%51%53%55%
Fernando Haddad54%56%57%57%60%60%65%

Fonte: XP/Ipespe (BR-06509/2018)

Apesar da melhora nas condições de competitividade de Bolsonaro, a pesquisa XP/Ipespe desta semana mostrou a manutenção de um quadro de equilíbrio em eventual disputa de segundo turno, quadro tido como mais provável pela atual fotografia. Hoje, Bolsonaro e Haddad aparecem tecnicamente empatados, com um quadro mais favorável para o deputado do que há uma semana.

ipespe0510c

Mesmo assim, chama atenção o fato de Haddad, mesmo com maior índice de rejeição e partindo de um patamar mais baixo no primeiro turno consiga aparecer tecnicamente empatado com Bolsonaro na simulação de segundo turno. Por que isso acontece?

Uma explicação pode estar no gráfico abaixo:

ipespe0510d

PUBLICIDADE

Trata-se de um cruzamento de dados da pesquisa. O que se observa é que, neste momento, a rejeição a Bolsonaro, embora percentualmente menor do que a de Haddad, ainda é mais intensa.

Segundo a pesquisa, 27% dos eleitores repudiam os dois candidatos. Neste grupo, Haddad tem 42% de apoio em eventual disputa de segundo turno contra o deputado. Outros 42% vão para o grupo de votos em branco, nulos e indecisos, ao passo que 16% indicam apoio a Bolsonaro.

Vale ressaltar que, por se tratar de um grupo não simpático a nenhuma das duas candidaturas, mudanças de comportamento ao longo do tempo podem ocorrer mais facilmente, seja para votar no adversário, seja para não votar em ninguém. Mas, por enquanto, a vantagem é de Haddad e está maior do que na semana anterior. Uma das hipóteses para isso é o fato de a rejeição de Bolsonaro ter oscilado para baixo no último levantamento.

Quer ganhar dinheiro nesta eleição investindo com taxa ZERO de corretagem? Abra sua conta agora na Clear