Congresso e Casa Branca unificam propostas e chegam a acordo para o pacote

Após aprovação pelo Senado na véspera, plano foi ajustado ao texto que passou pela Câmara e ficou em US$ 789,5 bilhões

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Os esforços da Casa Branca e do Congresso nesta quarta-feira (11) para unificar o texto que passou pela Câmara há duas semanas e a proposta aprovada na véspera pelo Senado culminaram em um acordo de US$ 789,5 bilhões para o pacote de estímulo econômico.

A informação foi dada pelo líder do partido democrata no Senado, Harry Reid. Segundo ele, a proposta deve ser finalizada para ser diretamente encaminhada às mãos do presidente Barack Obama para a assinatura oficial.

A proposta inicialmente aprovada pela Câmara dos Representantes girava em torno de US$ 819 bilhões, enquanto o plano que passou pelo Senado relacionava US$ 838 bilhões. Os US$ 790 bilhões especulados incluem alguns ajustes no programa integral.

PUBLICIDADE

“Os dois textos eram similares, e estou contente de anunciar que superamos as diferenças”, concluiu Reid no final do dia.

Alterações

Entre as principais alterações, foi citado que o benefício anteriormente estipulado em US$ 500 anuais por trabalhador foi reduzido a US$ 400 por ano. Para famílias, o benefício anterior de US$ 1.000 deve ficar em US$ 800 anuais.

Além disso, serão US$ 44 bilhões em aportes aos estados, montante que deverá ser destinado a investimentos em educação e outros serviços. Cerca de US$ 9 bilhões irão para a modernização e manutenção de escolas. Também foram relacionados estímulos ao pagamento de planos de saúde à população.

Ate sexta-feira

“Hoje mostramos que trabalhando juntos podemos superar o enorme desafio que esta crise impõe à nossa economia”, resumiu Susan Collins, senadora participante das negociações.

O acordo atende aos termos divulgados na última terça-feira, de que o objetivo é apresentar o programa consolidado à mesa de Barack Obama para assinatura oficial até o final desta semana.