A escolha de Dilma

Confira quais são os 4 nomes mais cotados para substituir Mantega na Fazenda

Nome de Tombini, que era o mais cogitado pelo mercado pela manhã, passou a ser menos cogitado após fala do Valor; Trabuco e Barbosa estão cotados, enquanto Meirelles segue "por fora"

SÃO PAULO – A hora de Dilma Rousseff escolher o ministro da Fazenda está chegando e, com isso, o mercado fica mais sensível em meio às especulações sobre quem substituirá Guido Mantega no segundo mandato da presidente.

Se, de manhã, a expectativa era de que o nome do atual presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, seria o mais provável e ganhou forças após acompanhar Dilma na reunião do G-20, no final da tarde, a sinalização era outra. De acordo com a colunista Claudia Safatle, do Valor Econômico, Tombini deve continuar no BC e nem chegou a ser convidado. O nome cogitado seria o do atual presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco.

Mas, além dele, o ex-secretário-executivo da Fazenda, Nelson Barbosa, também é cogitado. Além disso, mesmo sendo visto como o menos provável por sua distância com Dilma, o ex-presidente do Banco Central no governo Lula, Henrique Meirelles, também seria um dos cogitados. Confira os principais nomes: 

PUBLICIDADE

Nelson Barbosa

Nelson Barbosa

Após ter deixado o cargo de secretário executivo da fazenda em junho de 2013 em meio a um possível atrito com o governo – apesar do comunicado oficial destacar que foram por motivos pessoais – Nelson Barbosa é um dos mais atuantes elaboradores do programa econômico de governo de Dilma Rousseff. 

Barbosa estava no governo desde 2003 e fazia parte das equipes do ministro da fazenda Guido Mantega, também ocupando as secretarias de Acompanhamento Econômico – entre 2007 e 2008 – e de Política Econômica – entre 2008 e 2010. Sua demissão gerou uma série de controvérsias, em meio a tensões políticas e pessoais entre ele e o ministro Mantega. 

O ex-secretário executivo da Fazenda e professor da FGV colabora intensamente para o programa da petista e é tido como um dos favoritos para substituir o atual ministro da fazenda. Em suas últimas declarações, Barbosa afirmou que o Brasil pode se recuperar e crescer de 3% a 3,5% em 2018. 

 

Henrique Meirelles

 

Henrique Meirelles ex-presidente do BC

Henrique Meirelles é um executivo que fez carreira no setor bancário brasileiro, ganhando destaque nacional como presidente do Banco Central no governo Lula, entre os anos de 2003 e 2011. Ingressou em 1974 no Bank of Boston tornou-se presidente do ramo brasileiro da instituição em 1984.

Depois da criação do BankBoston Corporation, mudou-se para Boston, nos Estados Unidos e assumiu o cargo de CEO em 1996. Ele encerrou a sua carreira em 2002 e iniciou a sua trajetória política ao se candidatar a deputado federal em 2002 do estado de Goiás, obtendo 183 mil votos e sendo o mais votado no estado, o que chamou a atenção de Lula para chamá-lo a ocupar o cargo de presidente do BC.

Atualmente, Meirelles é filiado ao PMDB e foi cogitado para assumir o ministério da Fazenda em um eventual segundo governo Dilma por sua proximidade com o mercado financeiro

Luiz Carlos Trabuco Cappi

Luiz Carlos Trabuco_Bradesco

 
Luiz Cappi é o atual presidente do banco Bradesco (BBDC4) e, na expectativa do mercado financeiro, daria um impulso imediato para a credibilidade de Dilma entre os investidores. Trabuco ainda não foi convidado, afirmam jornais, mas contaria com a simpatia tanto de Lula quanto de Dilma. 

Aos 18 anos, em 1969, Trabuco iniciou a sua carreira no Bradesco após traçar um caminho peculiar. Ele é formado pela FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas), com pós-graduação pela FESP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo). Em março de 2003, Trabuco assumiu a presidência do Grupo Bradesco de Seguros e Previdência, foi presidente da Comissão de Marketing Financeiro da Febraban e Anapp. 

Seguindo a tradição de valorizar o funcionário de carreira do banco, Trabuco foi escolhido em março de 2009 como o quarto presidente da história da instituição. 

PUBLICIDADE

Alexandre Tombini

 

Tombini_BC

Alexandre Tombini tem 50 anos e é o atual presidente do Banco Central, sendo anunciado para o cargo por Dilma Rousseff em novembro de 2010 para comandar a autoridade monetária a partir de 2011, em substituição a Henrique Meirelles. O seu nome ganhou força nos últimos dias após acompanhar a presidente Dilma na reunião do G-20. 

Tombini formou-se em economia pela Universidade de Brasília em 1984 e tornou-se PHD em 1991 pela Universidade de Illinois, nos EUA.

Ele é concursado do Banco Central desde 1998, tendo ocupado diversos cargos por lá e afastando-se da autoridade monetária entre 2001 e 2005, quando foi para o FMI (Fundo Monetário Internacional).

 


PUBLICIDADE