Reforma trabalhista

Comissão do Senado pauta projeto que acaba com trabalho intermitente

Se for aprovado, texto ainda terá que passar pelo plenário ou outras comissões

Por  Estadão Conteúdo -

A Comissão de Direitos Humanos do Senado pautou para hoje, segunda-feira (7), a votação de um projeto de lei que acaba com o trabalho intermitente, modelo criado na reforma trabalhista de 2017.

A proposta foi apresentada pelo senador Paulo Paim (PT-RS) ainda em 2017 e chegou a entrar na pauta da comissão no ano passado, mas não foi votada.

Em 2019, o texto recebeu parecer favorável do relator na comissão, senador Paulo Rocha (PT-PA).

Se o projeto for aprovado na comissão, ainda terá que passar pelo plenário ou outras comissões, conforme a decisão do Senado.

O trabalho intermitente surgiu com a reforma trabalhista, aprovada em 2017, como uma maneira de formalizar quem trabalha sob demanda (em apenas alguns períodos do dia).

“Não ignoramos a crise econômica que o Brasil atravessa já há alguns anos, mas há outras formas de incentivar o mercado de trabalho que não desequilibrem a balança em prejuízo excessivo do trabalhador”, diz o parecer do senador Paulo Rocha, incentivando a promoção da demanda e a desoneração da produção.

As centrais sindicais criticam o modelo, apontando precariedade para o trabalho. Quando foi aprovada, a reforma trabalhista recebeu apoio de instituições empresariais.

Para a mesma sessão, a CDH pautou outros projetos que desidrataram a reforma trabalhista, entre eles um que revoga o termo de quitação anual de obrigações trabalhistas, assinado para evitar pagamentos futuros por parte das empresas, e outro que obriga o pagamento de remuneração adicional quando o empregado não usa o período reservado para alimentação e repouso.

Compartilhe