Começa campanha eleitoral pelo Senado do Japão

Eleições acontecerão no próximo dia 29, quando serão escolhidos 121 novos parlamentares, que ocuparão metade de 242 assentos da Câmara Alta

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Começou oficialmente, nesta quinta-feira (12), a campanha eleitoral para decidir a nova composição do Senado japonês. As eleições acontecerão no próximo dia 29, quando serão escolhidos 121 novos parlamentares, que ocuparão metade de 242 assentos da Câmara Alta.

No total, 377 candidados disputam o controle do Senado, que atualmente é liderado pela coalização governista formada pelo Partido Liberal Democrático (PLD), do primeiro-ministro Shinzo Abe.

A decisão estará nas mãos dos 104,55 milhões de eleitores japoneses. Deste total, 104,44 milhões moram no Japão, enquanto os outros 103,810 vivem fora do país, mas também votarão.

Campanha

Aprenda a investir na bolsa

A abertura da campanha foi centrada no problema das pensões, depois da desastrosa gestão do Ministério da Fazenda, que perdeu a relação das contribuições públicas de 50 milhões de japoneses para a Previdência Social.

Até o momento, o PLD possui 109 representantes no Senado, enquanto o principal partido da oposição, o Partido Democrata, tem a segunda maior representatividade, com 83 parlamentares. A legenda aliada do Governo, o Novo Komeito, é representado por 23 pessoas, e o Partido Comunista do Japão tem nove senadores.

A coalizão governista precisa eleger 64 representantes para ficar no comando da Câmara Alta, enquanto seu opositor, o PJD, precisa eleger 59 para ficar no poder.

Popularidade

O primeiro-ministro Shinzo Abe teme uma derrota nas urnas, pois a oposição certamente impediria as reformas defendidas por ele. Sua demissão já é alvo de especulação, caso seja derrotado.

A gestão de Abe passa atualmente pelo menor nível de popularidade, desde que o premiê assumiu o controle do país, há nove meses.

A Câmara Alta japonesa realiza eleições parciais a cada três anos, quando são eleitos metade dos senadores da Casa, que permanecem em seus cargos por 6 anos.

PUBLICIDADE