Ficou para amanhã

Com tumulto e manifestações, sessão sobre mudança de meta é suspensa e será retomada na 4ª

Após a suspensão da sessão do Congresso Nacional na noite desta terça-feira (2), deputados, integrantes da Polícia Legislativa e manifestantes envolveram-se em um tumulto nas galerias do Plenário da Câmara dos Deputados

SÃO PAULO – Em razão do tumulto ocorrido nas galerias da Câmara dos Deputados, o presidente do Senado, Renan Calheiros, suspendeu a sessão do Congresso Nacional iniciada na noite desta terça-feira (2) – que votaria a mudança no superávit primário de 2014 – e anunciou que ela será retomada às 10h desta quarta-feira (3). 

Após a suspensão da sessão do Congresso Nacional na noite desta terça-feira (2), deputados, integrantes da Polícia Legislativa e manifestantes envolveram-se em um tumulto nas galerias do Plenário da Câmara dos Deputados, cujo esvaziamento foi determinado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, que presidia a sessão.

O tumulto com os manifestantes começou durante o discurso da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). Incomodada com a situação, a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) interpelou Renan solicitando que ele providenciasse a retirada das pessoas das galerias. 

PUBLICIDADE

Os parlamentares aguardam a desocupação das galerias para retomar a sessão do Congresso, que se destina ao exame de vetos presidenciais e de vários projetos. Entre eles, o PLN 36/2014, que autoriza o governo a mudar a meta fiscal de 2014. A Polícia Legislativa tentava desocupar as galerias, mas o tumulto persistiu. Os parlamentares da oposição defenderam a permanência dos manifestantes em Plenário e afirmaram que a decisão da base governista foi “autoritária”. 

De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, parlamentares afirmaram que vão prestar queixa contra o presidente do Senado por suposta violência praticada contra manifestantes e até deputados que acompanharam o protesto nas galerias. O deputado Mendonça Filho (DEM-PE) considerou o novo adiamento da votação como “uma vitória do povo”.

(Com Agência Senado e Agência Brasil)