Alta de 36%

Com Marina favorita, BTG vê ação da Petrobras ir a R$ 30 se ela for eleita

Analistas ajustam a sua carteira recomendada ao fator Marina Silva e veem um potencial de valorização de 36% em relação ao fechamento de sexta-feira

SÃO PAULO – Em sua carteira recomendada para o mês de setembro, o BTG Pactual adaptou o seu portfólio para o “fator Marina” após a morte do presidenciável Eduardo Campos, em meados do mês passado. 

“Até agosto, víamos uma probabilidade maior de uma reeleição da presidente Dilma Rousseff e trabalhávamos com este cenário. Em meio ao rali, e com os fundamentos da Bolsa se deteriorando, nós avaliamos que o mercado já tinha precificado as chances de uma mudança política no País, o que nos fez recomendar uma carteira defensiva. Porém, após a trágica morte de Campos e Marina Silva emergindo como a nova candidata do PSB, o cenário eleitoral virou de cabeça para baixo, com as últimas pesquisas sinalizando que Marina ganhará o pleito”, apontam os analistas do banco.

Desta forma, apontam os analistas, a Petrobras (PETR3;PETR4) sinaliza como a mais bem posicionada a mudanças na política, o que os levou a mudar o portfólio e incluir o papel da estatal na carteira deste mês. Para eles, a ação ordinária da companhia estatal pode chegar aos R$ 30,00, o que configura um potencial de valorização de 35,50% em relação ao fechamento da última sexta-feira, quando atingiu os R$ 22,14. 

PUBLICIDADE

“Alguns podem argumentar que a ação já subiu demais este ano, com alta de 43% em relação ao acumulado no ano, ante 19% de alta do Ibovespa. Mas vemos espaço para mais”.

A equipe de análise de petróleo e gás, liderada por Gustavo Gattass ressalta que, apesar da fragilidade dos indicadores econômicos da companhia, o novo cenário político tem impulsionado a confiança dos investidores em tal cenário. “Embora não esperemos grande movimentos de gestão em setembro -que podem ser vistos como uma grande mudança – o crescimento da produção deve continuar, alimentando as expectativas de um balanço mais forte a partir de 2015”. 

“Em um cenário assumindo que Marina Silva tem 70% de chances de ser eleita, estimamos o 
retorno esperado do investimento em PETR3 em 10%. Com uma chance de 80%, o retorno esperado sobe para 19%. Se ela for eleita, a alta vai para 36%”, ressaltam os analistas, o que os levou a adicionar as ações da companhia no portfólio com uma participação de 20% reduzindo, em contrapartida, a exposição no setor de serviços financeiros.

“O surgimento de Marina Silva como favorita para vencer as eleições já impactou o 
Ibovespa em grande forma”, avaliam os analistas.