Com eleições presidenciais, spams com origem nos EUA duplicam

Segundo estudo, número de spams com mensagens sobre as eleições superou os 100 milhões diários

SÃO PAULO – As eleições deste ano para decidir o novo presidente dos Estados Unidos não resultaram somente na escolha do primeiro negro a presidir o país norte-americano, mas também num aumento significativo no número de spams enviados a partir dos Estados Unidos.

Segundo a Secure Computing, o envio de e-mails maliciosos sobre o acontecimento político superou os 100 milhões diários, sendo que as menções a Obama eram muito maiores do que as referências a Maccain, com uma diferença de 80%.

O país norte-americano já ocupa o primeiro lugar no ranking de envio de spams há um tempo. Porém, enquanto no segundo trimestre deste ano representava 16,6% dessas mensagens, no terceiro representou 32,1%.

Crise também é assunto

PUBLICIDADE

De acordo com o relatório da empresa, spams de quebra de banco também foram muito utilizados no terceiro trimestre do ano. Também surgiu um novo malware visando usuários de sites de relacionamento.

O período analisado também registrou o surgimento de um novo spam de “Notícias do Dia”, criado como um novo veículo para induzir leitores a clicar em flashes de notícias recentes, com títulos interessantes e provocantes.