Análise

Com credibilidade nula, Dilma mais irritou do que carreou suporte, diz consultoria

De acordo com a Rosenberg, "quando nos deixamos levar pela impressão de que atingimos o fundo do poço, eis que ele ressurge – o temido alçapão"

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Além das críticas da oposição em relação ao pronunciamento de Dilma Rousseff em rede nacional, a consultoria Rosenberg Consultores Associados também destacou o discurso da presidente em relatório divulgado na manhã desta segunda-feira (9). 

Dilma, ontem à noite, na TV, tentou defender a reforma fiscal, falando, claramente e com empenho, da sua importância e assumindo seu patrocínio pela primeira vez. Pena que com sua credibilidade nula, ela mais irritou do que carreou suporte para a austeridade”, afirmou a consultoria.

Conforme destaca a equipe econômica da consultoria, há um fato institucional muito grave se desenrolando, com investigação constatando que a maior empresa do Brasil, a Petrobras, estava corroída pela corrupção e que leva com que cerca de 50 políticos sejam investigados, dentre os quais os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Renan Calheiros (PMDB-AL). “Nunca antes no Brasil a desmoralização dos poderes constituídos foi tão extensa e desarticuladora”, afirma a consultoria.

PUBLICIDADE

Há um agravante econômico em paralelo uma vez que, além de “comprometer o crédito internacional da Petrobras e do País, a restrição financeira que seus fornecedores estarão sofrendo ameaçará a continuidade de grandes conglomerados econômicos nacionais, num momento em que estamos adentrando na mais grave recessão, desde o fim da Ditadura”, afirma.

E, como “cereja do bolo”, há a ruptura política bate à nossa porta. “De um lado, uma presidenta eleita há cerca de 4 meses pela maioria dos votantes brasileiros alcança o mais baixo nível de suporte popular, desde que ela surgiu para a Política. E enfrenta um duelo de morte com dois credenciados finórios do fisiológico PMDB, encarapitados no comando das duas casas do Congresso. Entre as aleivosias lançadas, sobra até para o Ministério Público, sobre quem se lança a suspeita de estar mancomunado com o PT para desmoralizar os demais partidos aliados. E na próxima semana, ambos os lados jogarão suas tropas civis nas ruas, em um exótico plebiscito informal, cada banda acusando a outra de ser mais canalha”.

E, de acordo com a Rosenberg, estes atores podem levar a qualquer epílogo: “impeachment, se a voz das ruas ensurdecer os ouvidos sensatos que pregam a suavidade democrática; em balbúrdia nas ruas, se o povo sentir que estão usurpando sua vontade expressa nas urnas. Ou em pizza, como sói acontecer por estas plagas”.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, é recrutado para enfrentar uma tempestade – uma vez que uma maior calmaria passa pela regeneração das contas públicas. E, conforme destaca a consultoria, a situação de conflito não pode tirar o foco da aprovação do ajuste fiscal.

Vale ressaltar que, na última semana, insatisfeito com o governo, o presidente do Senado Renan Calheiros anunciou em plenária a devolução ao governo federal da medida provisória que trata da desoneração na folha de pagamento para vários setores da economia, que havia sido anunciada pelo ministro da Fazenda como parte do ajuste fiscal.

A consultoria ressalta que deve-se manter o foco no ajuste fiscal, se não quisermos que a “recessão dolorosa já contratada para 2015 se adicione a ingovernabilidade política”.

PUBLICIDADE

“Quando nos deixamos levar pela impressão de que atingimos o fundo do poço, eis que ele ressurge – o temido alçapãoO fato é que, na semana passada, descobrimos que o tamanho do buraco era maior, em várias áreas”, afirma.

Em primeiro lugar, ressalta a Rosenberg, a deterioração da atividade tem sido mais profunda e mais rápida, destacando vendas e produção de veículos, bem como o consumo de energia elétrica. “Apesar do aumento da produção industrial em janeiro contra dezembro, o recuo em relação a janeiro do ano passado é colossal e confirma o maior pessimismo com a atividade”.  Com isso, a equipe revisou a perspectiva para o crescimento para 1,5% negativo, sem racionamento de energia. “Caso haja racionamento, revisaremos apropriadamente”.

Em segundo lugar, está o ajuste da inflação maior do que se esperava. “Energia Elétrica e gasolina lideram o ajuste e a resistência no preço dos serviços pode atravancar a queda nos livres. Ainda, aglutinam-se os riscos acerca do duplo racionamento, que deixariam a projeção de alta de 55% na tarifa elétrica subestimada”, ressaltam.

Além disso, em terceiro lugar, está a mudança de postura do Banco Central no mercado cambial, em um momento de recuperação econômica nos EUA e, por conseguinte, levando a possível alta de juros. Com os problemas internos no Brasil, o dólar ultrapassou R$ 3,00. 

Além disso, colaborou para azedar o clima, também, o quadro político e por fim, destaque para o rombo do setor elétrico. “ Mesmo com todo o reajuste tarifário concedido neste ano, ainda foi preciso que Levy organizasse um pool de bancos (com participação de vários privados) para bancar mais um empréstimo ao setor, além de pedir o alongamento dos empréstimos já concedidos”.

Com isso, a Rosenberg destaca que a recuperação em 2016 é posta em cheque, o que os levou a revisar a projeção de crescimento para o próximo ano de 1,5% para 0,5%. 

“De que adianta este ajuste todo, então, se é para conviver com a penúria e a dificuldade por tanto tempo? Primeiro, para melhorar a imagem do Brasil como pagador lá fora. A persistir nos erros de política econômica tomados no primeiro mandato, a perda do investment grade seria líquida e certa, bem como uma nova rodada de aumento dos juros pagos pelo governo brasileiro e por empresas brasileiras para tomar recursos lá fora. E, lembre-se, ainda não estamos falando das reformas realmente necessárias para botar o país de volta à trilha do crescimento – aquelas que lidariam com as questões cruciais de produtividade. 

Mal comparando, é como se fosse uma dieta depois de uma viagem curta em que imperou a lassidão; é um quadro melhor do que o ocorrido após anos e anos de pouca preocupação, quando a obesidade mórbida já está instalada… Torçamos para que a matrícula na academia ocorra o quanto antes…”, conclui a consultoria.