Comemoração

Com brasileiro, Dilma diz que OMC deve dar impulso equilibrado ao comércio

"Agradeço o apoio que nosso candidato recebeu de governos de todo o mundo nas três rodadas de votação. Essa não é uma vitória do Brasil, mas da OMC", disse a presidente

BRASÍLIA – A presidente Dilma Rousseff comemorou nesta terça-feira a escolha do embaixador brasileiro Roberto Azevêdo como diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) e disse que caberá à entidade dar “um novo, equilibrado e vigoroso impulso ao comércio mundial”.

“Agradeço o apoio que nosso candidato recebeu de governos de todo o mundo nas três rodadas de votação. Essa não é uma vitória do Brasil, nem de um grupo de países, mas da Organização Mundial do Comércio”, disse a presidente em comunicado.

Azevêdo, 55 anos, foi eleito nesta segunda ao derrotar o ex-ministro do Comércio mexicano Hermínio Blanco na competição de três rodadas, tornando-se o primeiro latino-americano a chefiar o grupo comercial desde sua criação em 1995.

Em entrevista coletiva em Brasília, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, classificou a escolha de Azevêdo como uma “vitória do Brasil” e um triunfo pessoal do diplomata.

De acordo com Patriota, o Itamaraty “trabalhou incansavelmente” pela escolha de Azevêdo, até então o representante do Brasil na OMC, e disse que o respeito do país pelas regras internacionais colaborou para a escolha.

“Não fosse o respeito e a atitude que o Brasil desperta entre os membros da OMC, dificilmente eu acho que um brasileiro teria sido eleito… para chefiar a organização”, disse Patriota a jornalistas.

O chanceler disse que o Brasil está comprometido com o sucesso da reunião da OMC em Bali, na Indonésia, em dezembro, a primeira sob o comando de Azevêdo, que toma posse no novo cargo em setembro.

Ele ressalvou, no entanto, que a escolha de um brasileiro para chefiar a entidade não significa que o Brasil terá tratamento privilegiado nas questões comerciais.

“A partir do momento em que o embaixador Roberto Azevêdo assumir a direção da OMC, deixa de ser um diplomata brasileiro e passa a ser o diretor de um organismo internacional comprometido com o sistema multilateral de comércio e tentando avançar na agenda da organização”, explicou.

PUBLICIDADE

Azevêdo assumirá o cargo hoje ocupado por Pascal Lamy e comandará uma organização que enfrenta dificuldades de alinhar um acordo para Bali, apesar de ter reduzido fortemente suas ambições depois de ver fracassar seus esforços de dez anos para concluir a rodada de Doha sobre liberalização comercial.

O acordo em Bali pretende reduzir a burocracia ao padronizar procedimentos alfandegários, levando a um possível impulso de trilhões de dólares à economia mundial, introduzindo ao mesmo tempo novas regras para promover segurança de alimentos e concessões para países mais pobres.