Eleições

Citado como possível ministro de Haddad, Samuel Pessôa nega sondagem: “sou eleitor de Alckmin”

Outro cotado para ser o nome da economia em um governo petista, Marcos Lisboa também negou os boatos

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Nos últimos dias surgiram boatos de que o candidato à Presidência Fernando Haddad (PT) já estaria de olho em nomes para assumir o ministério da Fazenda em um eventual governo petista: Samuel Pessôa e Marcos Lisboa. Segundo a Folha de S. Paulo, a ideia é buscar um perfil mais moderado e independente.

Durante ato de campanha em Guarulhos na última quarta-feira (19), Haddad foi questionado sobre o perfil que teria o seu principal nome na economia: “O meu. Eu ia ser o ministro da Fazenda do Lula”. Ele também desconversou sobre os nomes ventilados: “é natural que algumas pessoas especulem, mas nós não estamos trabalhando ainda com a equipe”.

Segundo o Valor Econômico, Pessôa diz que nem sondado foi para ser ministro de Haddad: “sou eleitor do Geraldo Alckmin”. Além disso, ele ressaltou que o mais importante agora não é definir quem vai ser o ministro da Fazenda, mas sim a construção da base política sólida para poder sustentar um possível governo petista.

Aprenda a investir na bolsa

Já Marcos Lisboa, que foi secretário de Política Econômica no Ministério da Fazenda do governo Lula, também afirmou ao jornal que não procedem os rumores de que ele teria sido sondado para compor o ministério de Haddad. Ele até afirmou ter uma boa relação com o ex-prefeito de São Paulo, mas também destacou que tem críticas às propostas econômicas do PT.

A Folha de S. Paulo afirma que aliados de Haddad dizem que Lula irá “controlar o PT”, mas que o ex-prefeito quer ecoar a tese de que seu perfil conciliador não dará espaço para rompantes radicais, com a possibilidade de acordos com o mercado e até outros partidos.

A publicação diz ainda que há boatos de que Haddad poderia levar um “empresário amigo” para comandar a Fazenda, e entre os nomes estariam o presidente do conselho de administração do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, ou o presidente da Coteminas, Josué Alencar.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear