Defesa

Citada em lista de Janot, Dilma diz que provará inocência mesmo sem saber do que é acusada

A petista afirma ainda que, ao longo de três anos, nunca surgiram provas ou indícios contra ela na Operação Lava Jato, apenas "ilações" de terceiros

SÃO PAULO – Após indicações de que estaria na lista de pedidos de inquérito do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, a ex-presidente Dilma Rousseff divulgou uma nota nesta quarta-feira (15) em que diz que irá provar sua inocência, mesmo “sem saber do que está sendo acusada desta vez”.

A petista afirma ainda que, ao longo de três anos, nunca surgiram provas ou indícios contra ela na Operação Lava Jato, apenas “ilações” de terceiros. No texto, que é assinado por sua assessoria de imprensa, Dilma também critica o vazamento “seletivo” das delações da Odebrecht por “agentes públicos que deveriam zelar pela Justiça”.

Confira a íntegra da nota:

PUBLICIDADE

“A propósito das notícias veiculadas nesta quarta-feira, 15 de março, sobre a suposta inclusão da ex-presidenta Dilma Rousseff na chamada ‘lista de Janot’, a Assessoria de Imprensa de Dilma Rousseff informa:

1. Desde o início das investigações sobre a Operação Lava Jato, há quase três anos, nunca surgiram provas ou indícios do envolvimento direto de Dilma Rousseff em desvio de recursos públicos ou corrupção.

2. Suspeitas são sempre lançadas contra ela no terreno das ilações ou citações indiretas em conversas de terceiros.

3. As delações de empresários e executivos da Odebrecht estão cobertas pelo manto do sigilo judicial, mas, de maneira usual, os vazamentos seletivos continuam sendo praticados justamente por aqueles agentes públicos que deveriam zelar pela Justiça.

4. Dilma Rousseff defenderá sua honra e provará sua inocência na Justiça, mesmo sem saber sequer do que está sendo acusada desta vez.”