Solidariedade pessoal

Ciro Gomes sugere “sequestro” de Lula até embaixada caso prisão seja decretada

"Hoje, não enxergo motivos para uma prisão de Lula, embora eu esteja muito irritado com sua frouxidão moral", disse o ex-ministro

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O ex-ministro e pré-candidato à Presidência da República em 2018, Ciro Gomes já tem um plano para ajudar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva caso sua prisão seja decretada. Segundo o jornal O Globo, Ciro não descarta a possibilidade de um gesto extremo de “solidariedade pessoal”, se o juiz Sérgio Moro ou outra autoridade decretar a prisão de Lula em uma situação que ele considere “fora das regras do estado democrático de direito”.

A ideia do político é formar um grupo de juristas, “sequestrar” o ex-presidente e levá-lo a uma embaixada com pedido de asilo para que ele possa se defender “de forma plena e isenta”. Para o jornal, o ex-governador do Ceará disse que a ideia surgiu na época em que o ex-presidente foi conduzido coercitivamente pela Polícia Federal para depor em São Paulo.

“Pensei: se a gente formar um grupo de juristas, a gente pode pegar o Lula e entregar numa embaixada. À luz de uma prisão arbitrária, um ato de solidariedade particular pode ir até esse limite. Proteger uma pessoa de uma ilegalidade é um direito” disse Ciro.

PUBLICIDADE

“Hoje, não enxergo motivos para uma prisão de Lula, embora eu esteja muito irritado com sua frouxidão moral. É obra dele a criação dessa linha sucessória que ai está. Quem criou esse monstro Eduardo Cunha foi Lula”, concluiu o político.