Ciro Gomes continua a defender sua candidatura à Presidência do País

Deputado rouba votos de Serra quando considerado na pesquisa e poderia levar disputa ao segundo turno

SÃO PAULO – De acordo com a pesquisa CNT/Sensus de janeiro, Ciro Gomes, do PSB, caiu 5,6 pontos percentuais de novembro de 2009 para cá. Ainda assim, o deputado insiste em candidatura própria.

Um de seus argumentos é baseado no fato de que Dilma Rousseff, com 27,8%, fica mais próxima de Serra, que aparece com 33,2% das intenções de voto, quando Ciro é inserido na simulação – o que levaria a disputa para o segundo turno.

Sem a inserção do deputado radicado no Ceára, Dilma tem 28,5% das intenções, 12,2 pontos percentuais a menos do que Serra. Assim, a corrida presidencial seria encerrada já no primeiro turno.

PUBLICIDADE

No entanto, o crescimento de Dilma Rousseff nas pesquisa leva o PT a afirmar que a ministra deve ser a única candidata da base governista. Para Ciro Gomes, “Santo Lula está errado”.

Programa partidário
A MCM Consultores avalia que parte do estardalhaço feito pelo psdebista desde sua volta do recesso parlamentar deve-se ao programa partidário da legenda, que será veiculado no dia 18 de fevereiro.

O programa o apresentará como estrela do partido e poderia impulsionar seu crescimento nas pesquisas com a exposição durante o horário gratuito. No entanto, a MCM afirma que é difícil persuadir o presidente do partido, Eduardo Campos, a “embarcar nessa aventura’, como define a consultoria.

Em parte porque a candidatura de Ciro poderia atrapalhar os candidatos do PSB nas eleições para governador, com o PT ameaçando retirar o apoio concedido à reeleição do próprio Campos, em Pernambuco, e de Cid Gomes no Ceará.

Ciro afirmou que desistirá caso o partido peça. Para a MCM, o jogo só será resolvido em abril ou maio. A queda nas pesquisas pode fazer com que Dilma vença esta primeira etapa, mas não é interessante para o PT e nem para a candidata do governo criar indisposição entre Ciro e os governistas, com consequente retirada de apoio à ministra, afirma a consultoria.