Saiu

Cid Gomes é demitido do ministério da Educação

A decisão foi tomada após uma sessão conturbada no Congresso, onde Gomes foi convocado a prestar esclarecimentos sobre fala de que a Casa tem grande maioria de achacadores

SÃO PAULO – O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acaba de anunciar a saída do ministro Cid Gomes, ministro da Educação do governo da presidente Dilma Rousseff. “Comunico à Casa o comunicado que recebi do chefe da Casa Civil comunicando a demissão do ministro da Educação, Cid Gomes”, disse Eduardo Cunha. Apesar do comunicado, foi o ministro quem pediu demissão.

A decisão foi tomada após uma sessão conturbada no Congresso, onde Gomes foi convocado a prestar esclarecimentos sobre fala de que a Casa tem grande maioria de achacadores. A expectativa do governo era que ele se desculpasse pelas declarações e tentasse recompor suas relações.

Porém, ele não só não fez isso como, dedo em riste em direção ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse: “Prefiro ser acusado de mal educado a ser acusado de achacador como ele [Cunha], que é o que dizem dele as manchetes dos jornais”.

PUBLICIDADE

Essa não foi a primeira declaração polêmica do ministro no dia, mais cedo ele afirmou que quem é da base aliada do governo tem de votar com o governo. “Ou larguem o osso. Saiam do governo”. neste caso, ele pediu desculpas “àqueles que não agem dessa maneira”, depois de reafirmar que alguns eram “oportunistas”.

Neste momento, os líderes se revezaram na tribuna para exigir a demissão de Cid Gomes. De acordo com a Folha, a cúpula do PMDB avisou diretamente a um auxiliar de Dilma que o partido não abriria mão de que ele fosse demitido ao cargo ao término da sessão. “Ou é isso ou ela perderá o partido. Dessa vez é sério”, disse um interlocutor peemedebista com acesso ao Planalto para o jornal.