STOCK PICKERS Pedro Chermont e Hulisses Dias falam sobre as lições de Warren Buffett que podemos aplicar nesta crise; assista

Pedro Chermont e Hulisses Dias falam sobre as lições de Warren Buffett que podemos aplicar nesta crise; assista

Não continua

Chance de Michel Temer cair é de 100%, diz analista político à CNBC

"Poucas pessoas acreditam que ele vai ficar até o fim de seu mandato no final de 2018", afirmou Marcos Casarin à publicação

SÃO PAULO – Em entrevista ao portal americano CNBC nesta segunda-feira (22), o diretor de pesquisa macro da América Latina da Oxford Economics, Marcos Casarin, atribuiu uma probabilidade extrema de saída do presidente brasileiro Michel Temer do cargo ocupado por ele. 

“Poucas pessoas acreditam que ele vai ficar até o fim de seu mandato no final de 2018”, afirmou, dizendo que há uma chance de “100%” de ele sair antes do fim do seu mandato.

“Ele obviamente vai negar os fatos, mas as gravações são bastante conclusivas e elas foram tornados públicos na noite de quinta-feira e sexta-feira e eu acho que todo mundo teve tempo suficiente para digerir a notícia”, afirmou o diretor de pesquisa macro da Oxford.

PUBLICIDADE

O portal americano ressalta que Temer tem enfrentado uma crescente pressão para renunciar em meio às novas denúncias de corrupção que surgiram, apontando ainda que houve diversas manifestações no fim de semana e que a OAB pediu seu impeachment. 

A CNBC ainda aponta que a crise política levou à drástica redução de preços de ações como das estatais como Petrobras e Banco do Brasil. Porém, segundo Casarin, os escândalos não significam falta de oportunidades para os investidores. “Isso abre oportunidades para os investidores porque os ativos brasileiros passaram por um rali maciço desde o começo do ano, praticamente desde a eleição de Trump … esses ativos são substancialmente mais baratos agora”, disse. 

Vale destacar que a consultoria de risco político Eurasia Group revisou sua projeção para a queda de Temer antes do fim do mandato de 20% para 70%, apontando que a melhor solução para as reformas seria uma saída rápida via TSE.