Corrupção

Cerveró é denunciado por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro pelo MPF

Ao lado de Fernando Soares e Oscar Algorta, o ex-diretor da Petrobras teria desviado dinheiro da estatal e comprado uma cobertura de luxo no Rio de Janeiro

SÃO PAULO – O ex-diretor da Petrobras (PETR3; PETR4), Nestor Cerveró foi denunciado junto com Fernando Soares e Oscar Algorta por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha pelo Ministério Público Federal. Cerveró foi acusado de utilizar seu cargo na estatal para favorecer contratações de empreiteiras mediante o pagamento de propina. 

Fernando Soares foi apontado como o operador financeiro do esquema e Oscar Algorta teria realizado lavagem de dinheiro ao adquirir com valores ilícitos uma cobertura de luxo no Rio de Janeiro, em nome da offshore uruguaia Jolmey, para ocultar a propriedade atribuída a Cerveró.

A investigação ainda descobriu que parte dos valores recebidos em propina por Cerveró foi remetida ao exterior para empresas offshores situadas no Uruguai e Suíça. Uma parte dinheiro retornou ao Brasil a título de investimento na Jolmey do Brasil Administradora de Bens Ltda, uma filial da offshore uruguaia Jolmey S/A. Segundo a denúncia, ambas são propriedade de Cerveró, mas estavam registradas e eram administradas formalmente por terceiros.

PUBLICIDADE

Algorta era o presidente do Conselho de Administração da da Jolmey S/A no Uruguai. O apartamento de cobertura adquirido pela empresa em Ipanema custou R$ 1,5 milhões e foi reformado por R$ 700 mil. Ele vale hoje R$ 7,5 milhões, mas foi “alugado” a preços bem abaixo do mercado para Cerveró por R$ 3.650, segundo a denúncia, com o objetivo de ocultar a verdadeira propriedade do imóvel e evitar que o ex-diretor fosse acusado de enriquecimento sem causa. 

A denúncia agora pede para que o apartamento seja devolvido junto com o dinheiro nas contas-correntes da empresa, além da reparação dos danos causados pela infração no valor de R$ 7,5 milhões.

Os crimes foram apurados no âmbito da Operação Lava Jato deflagrada pela Polícia Federal para investigar desvios de dinheiros em contratos firmados pela Petrobras com empreiteiras.