AO VIVO Inflação: IPCA-15 sobe 0,45% em setembro, um pouco acima do esperado pelos economistas

Inflação: IPCA-15 sobe 0,45% em setembro, um pouco acima do esperado pelos economistas

Lava Jato

Cassação de Delcídio deve levar denúncia contra Lula para as mãos de Moro

Senador cassado nesta terça-feira era o único com foro privilegiado na denúncia sobre suposta trama para comprar o silêncio de Nestor Cerveró

SÃO PAULO – A cassação do senador Delcídio do Amaral, que ocorreu nesta terça-feira com 74 votos e uma abstenção, deve levar a denúncia feita contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para as mãos do juiz federal Sérgio Moro, de acordo com investigadores ouvidos por diversos jornais. 

Delcídio afirmou em delação premiada que foi a mando de Lula tentar comprar o silêncio do ex-diretor da área internacional da Petrobras, Nestor Cerveró. Com a perda de mandato de Delcídio, já não há nesse inquérito nenhuma autoridade com foro privilegiado. Além de Delcídio e Lula, também são investigados o banqueiro André Esteves, o ex-assessor Diogo Ferreira, o advogado Edson Ribeiro, além do empresário José Carlos Bumlai e seu filho Maurício Bumlai.

Delcídio é investigado em três inquéritos no âmbito do STF, sendo que, em um deles, está conectado aos senadores Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado; e Jader Barbalho (PMDB-PA), fazendo com que o procedimento seguisse no Supremo. Mas este não é o caso do inquérito envolvendo as tentativas de obstrução da delação premiada de Cerveró. 

PUBLICIDADE

O entendimento do STF nesse tipo de caso tem sido remeter processos para a primeira instância. A decisão sobre o foro da denúncia será de Teori Zavascki.

Os demais inquéritos contra Lula, porém, tem envolvimento com pessoas com foro privilegiado, como a presidente Dilma Rousseff. Mesmo que o Senado decida afastar Dilma do cargo, ela segue com foro até concluída a análise do impeachment. O petista também foi alvo de pedido de investigação no inquérito mãe da Lava Jato, que envolve diversos políticos com foro. Está no Supremo também a investigação sobre o sítio em Atibaia e o tríplex no Guarujá.