Camargo Corrêa se diz perplexa com prisões de funcionários em sua sede

Na quarta-feira, funcionários da companhia foram presos pela Operação Castelo de Areia, sob acusação de lavagem de dinheiro

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A Camargo Corrêa foi alvo da Operação Castelo de Areia, da Polícia Federal, na quarta-feira (25), quando quatro de seus diretores e duas secretárias foram presos em ação na sede da empresa em São Paulo, sob acusação de crimes financeiros e lavagem de dinheiro.

A Polícia Federal investiga supostas doações ilegais da construtora a sete partidos políticos – PSDB, PMDB, DEM, PP, PPS, PSB e PDT – nas últimas eleições municipais. As acusações, no entanto, são negadas pela empresa.

Segundo escutas, os repasses de recursos teriam acontecido com participação mediadora da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). O juiz Fausto Martin de Sanctis, da 6ª Vara Federal de São Paulo, responsável pelos mandados de prisão da operação, declarou que a Polícia Federal, num primeiro momento, não suspeitava das relações da companhia com partidos políticos.

Petrobras

Aprenda a investir na bolsa

O que também chamou atenção dos investigadores foi outra gravação, que envolveria a Petrobras em esquema fraudulento de solicitação de transporte urgente de valores “em espécie” de São Paulo a Recife.

As suspeitas, de acordo com Sanctis, podem estar relacionadas com operações superfaturadas em obras públicas na refinaria Abreu e Lima, a ser inaugurada em 2011.

Ainda sobre a fala do juiz, o que destacadamente alertou as autoridades para este processo administrativo foi o fato de as ligações telefônicas ouvidas – tanto da Petrobras quanto da Camargo Corrêa – terem sido interceptadas exatamente no mesmo período.

Em nota

A Camargo Corrêa veiculou nesta quinta-feira nota junto à imprensa em que se posiciona a respeito dos acontecimentos da véspera.

No comunicado, afirma sua “perplexidade” quanto ao ocorrido e declara cumprimento rigoroso de todas as suas obrigações legais. Ademais, informa ainda não ter tido “acesso ao teor do processo” que motivou as prisões até a noite da quarta-feira e se compromete a tomar todas as providências para esclarecer oportunamente todos os fatos.