Adiado

Briga entre Fazenda e Petrobras leva ao adiamento de reunião; ADR cai 4,1%

Tudo depende dos números de inflação a serem divulgados agora no mês de novembro - se forem baixos o suficiente, o governo deverá conceder o reajuste que a Petrobras vem pedindo

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O governo Dilma Rousseff adiou a reunião do conselho da Petrobras (PETR3; PETR4), que estava prevista para o dia 22, noticiou a Folha de S. Paulo nesta quarta-feira (20). De acordo com o jornal, há divergências graves entre o Ministério da Fazenda e a estatal – o que impossibilita a discussão para a criação do mecanismo de reajuste automático para gasolina e diesel. 

A Folha acredita que o novo encontro será no dia 28 de novembro. Tudo depende dos números de inflação a serem divulgados agora no mês de novembro – se forem baixos o suficiente, o governo deverá conceder o reajuste que a Petrobras vem pedindo. Não se sabe se esse reajuste seguirá a nova fórmula, ou isso será esperado apenas para o próximo ano. 

Com isso, os ADRs (American Depositary Receipts) PBR, referentes a ação ordinária da empresa, fecharam com forte queda de 4,14%, para US$ 16,89. A diretoria da empresa, liderada por Maria das Graças Foster, criou uma metodologia de reajuste automático, mas essa ainda não foi aprovada por Guido Mantega, ministro da Fazenda.

Supostamente, Mantega não teria gostado do modelo e pediu ajustes no mecanismo na reunião do conselho. Ele teria se sentido traído com a forma que a Petrobras divulgou isso ao mercado – alertando que haveria uma reunião para a decisão. Para o ministro, isso só deveria ter vindo a público depois que houvesse uma reunião do governo sobre metodologia.