Novas siglas

BRICS perdem o brilho, mas quem irá substituí-los? WSJ aponta 6 “novas” promessas

Presidentes dos BRICS se reuniram no último final de semana, mas sem a "pompa" dos anos passados, enquanto novas siglas vêm surgindo

SÃO PAULO – No último final de semana, os líderes das nações BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) se reuniram para tentar reforçar sua cooperação. A sigla que originou o grupo foi criada pelo então economista do Goldman Sachs Jim O’Neill, em 2001 – o economista se aposentou em 2013. 

Conforme destaca o Wall Street Journal, os BRICS tiveram a sua primeira reunião em 2009, na esteira do conceito criado por O’Neill de que o mundo estaria testemunhando o nascimento de um novo grupo de líderes econômicos. Contudo, atualmente, o grupo tem perdido um pouco do brilho, uma vez que o crescimento da China se desacelerou, a Rússia foi atingida por sanções do Ocidente e a África do Sul vive em meio a um escândalo político. Já o Brasil busca se reerguer após a maior crise desde a Grande Depressão. 

Em meio a isso, o WSJ listou uma série de acrônimos alternativos utilizados pelos bancos e que vem surgindo na esteira dos BRICS, mas que incluem até mesmo representantes deste grupo icônico. Confira abaixo:

PUBLICIDADE

1. The Next 11
Países: Bangladesh, Egito, Indonésia, Irã, Coréia do Sul, México, Nigéria, Paquistão, Filipinas, Turquia e Vietnã.
A sigla também foi criada pelo Goldman Sachs, em 2005. Segundo um relatório do banco datado de 2013, a expectativa é de que o grupo de países adicione US$ 4 trilhões ao PIB global em dez anos.

2. CIVETS
Países: Colômbia, Indonésia, Vietnã, Egito, Turquia e África do Sul
O HSBC Global Asset Management lançou um fundo direcionado a investimento nesses países em 2011, após o termo ser cunhado pelo Economist Intelligence Unit em 2009. A sigla foi definida para designar países com populações jovens e crescimento potencial no futuro.

3. EAGLES (Emerging and Growth-Leading Economies)
Países: China, Índia, Brasil, Indonésia, Coreia do Sul, Rússia, México, Egito, Taiwan e Turquia
O BBVA Research criou a sigla EAGLES para cobrir uma grande cesta de mercados emergentes. O termo abarca as principais economias emergentes e começou a ser utilizado em 2010 para acompanhar os países que mereciam atenção mais estreita dos investidores. 

4. MINT
Países: México, Indonésia, Nigéria, Turquia
Jim O’Neill apontou em 2013 que estava usando um novo termo para tratar de grupo de países que deveriam ser olhados com atenção pelos investidores. 

5. TIMPs
Países: Turquia, Indonésia, México e Filipinas
Este termo foi inventado pela Turner Investments. Em um relatório intitulado “olhe para além dos BRICS, aqui vem o TIMPs,” o presidente da gestora Bob Turner disse em 2013 que essas nações poderiam ser os novos Brics.

5. MIST
Países: México, Indonésia, Coreia do Sul e Turquia
Esta é uma outra sigla creditada a O’Neill. Estes países foram colocados na lista de observação como algumas das economias de mais rápido crescimento do mundo.

6. Os 5 frágeis
Países: Brasil, Índia, Indonésia, África do Sul e Turquia
O WSJ aponta que esta não é uma sigla, mas é algo útil. O Morgan Stanley alertou que estes são os países que mais poderiam sofrer caso houvesse uma saída de capital dos mercados emergentes.