Brasília em off

Lula prepara discurso para mercado

Aliados dizem que não haveria necessidade de nova "Carta ao Povo Brasileiro", porque o legado de Lula já confeririam credibilidade e previsibilidade

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em coletiva de imprensa (Foto: Ricardo Stuckert)

O ex-presidente Lula já se prepara para conversar com o mercado financeiro sobre as eleições de 2022. A mensagem vai na mesma linha “paz e amor” de 2002, embora o PT tenha nos planos um discurso que pode preocupar investidores e que inclui, por exemplo, uma revisão do teto de gastos e uma reforma do setor bancário.

O entorno do petista acredita que ele conseguirá construir pontes com o mercado, passando a mensagem de que o candidato petista será alguém equilibrado, que faça contraponto ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Não haveria necessidade de uma nova “Carta ao Povo Brasileiro”, porque o legado de Lula já seria a credibilidade e a previsibilidade que ele demonstrou no passado.

Diplomacia Soft

Na contramão do que prega a equipe econômica de Bolsonaro, Lula tem dito a interlocutores que uma volta do PT ao poder representaria a valorização do Mercosul e o fortalecimento do bloco para fechar acordos comerciais.

O ministro Paulo Guedes (Economia), por outro lado, defende que o Brasil tenha liberdade de fechar acordos individualmente e possa reduzir unilateralmente alíquotas de importação que hoje precisam ser negociadas com os demais membros do Mercosul.

Lula também prega uma aproximação maior com países africanos e uma postura mais altiva com países desenvolvidos.

R$ 400

Bolsonaro tem dito a interlocutores que gostaria de aumentar o auxílio emergencial para R$ 400 e prorrogar o benefício até março de 2023. O governo ainda não tem como colocar de pé o novo programa social que vai substituir o Bolsa Família. Mas, para qualquer que seja a solução, a ideia da equipe econômica é que o valor fique, no máximo, em R$ 300 e dentro do teto de gastos.

Correios

O governo está recorrendo ao Tribunal de Contas da União (TCU) para tentar aprovar o projeto de privatização dos Correios no Senado Federal.

Sem votos suficientes para passar a proposta, o ministro Fabio Faria (Comunicações) pediu ajuda aos ministros da corte de contas Bruno Dantas e Vital do Rêgo, que têm bom trânsito na casa, para virar votos em favor da aprovação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cautela

Apesar da irritação com o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) por travar na Comissão de Constiuição e Justiça (CCJ) a indicação de André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal (STF), o governo está cauteloso quanto à ideia de pressionar para que o nome do ex-AGU seja levado direto ao plenário do Senado Federal.

O temor é que a insegurança jurídica possa levar a uma eventual tentativa de derrubar Mendonça já no cargo por não ter passado por todos os trâmites previstos para escolha de ministro da Suprema Corte.